Tabela faz Operário viajar mesma distância de um mês em oito dias

Fantasma vai percorrer 1,5 mil km para jogar contra Nacional e Cascavel

Tabela faz Operário viajar mesma distância de um mês em oito dias

Início da jornada de viagens do Operário começou em partida contra o Maringá - Foto: Josué Teixeira

PublicidadeNEC

Os bancos do ônibus de viagem do Operário Ferroviário Esporte Clube (OFEC) precisam ser mais do que confortáveis para que os jogadores e comissão técnica aguentem a sequência árdua de descolamentos que vem pela frente.


Num prazo de oito dias, o Fantasma vai percorrer quase 1,5 mil km para jogar contra Nacional, Atlético-PR e Cascavel. Isso porque, o Fantasma enfrenta o Furacão em casa entre partidas em Rolândia (280km de distância) e Cascavel (406km).


O deslocamento ida e volta para estas cidades vai se aproximar do que o Operário viajou para participar das seis primeiras rodadas do Campeonato Paranaense. Foram percorridos cerca de 1,8 mil km para ir a Maringá, Londrina e Curitiba três vezes.


Se o jogo contra o Foz do Iguaçu, que foi no EcoEstádio por conta de perda de mando de campo, fosse em Ponta Grossa, o descolamento do Fantasma seria praticamente o mesmo (1,6 mil km) nos períodos de um mês e oito dias.


Outro agravante à nova jornada é o cronograma de jogos domingo, quarta, domingo. O curto período de tempo entre os confrontos e o longo percurso em viagens compromete a programação de treinos. "Temos pouco tempo para nos recuperarmos", aponta o preparador físico, Carlos Alberto Gamarra.


A título de comparação, o JMalucelli, atual líder do campeonato, viajou apenas uma vez nas seis primeiras rodadas. O Jotinha teve quatro jogos em casa, outro na Vila Capanema - também em Curitiba - e uma partida contra o Prudentópolis (212km de distância).


Leia também:

Jhonatan afirma jogar para manter emprego de funcionários do OFEC

Operário treina em dois períodos pela primeira vez na semana


Agora, o JMalucelli joga de novo em Curitiba, contra o Atlético-PR, na Arena da Baixada. Serão seis jogos na capital do estado em sete rodadas. “Eu nunca vi um time jogar, de sete partidas, uma em casa, como o Operário”, já dissera o técnico Itamar Schulle.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
PublicidadeNEC