Colunas

Direita, volver

Por ‎Emmanuel Fornazari em 15/07/2019 13:06:41

Direita, volver

Não é política, nem militarismo. Ainda bem. O título que pode se confundir com o contexto do país ultimamente representa umas das maiores evoluções do Operário com a parada para a Copa América. Diante do Londrina, o lado direito reservou potência e técnica, que se estendeu a outros espaços do campo, e se apresentou como o mais interessante, com destaque para a sintonia entre Cleyton e Maílton (foto de José Tramontin/Operário). A dupla que ainda não havia iniciado nenhum jogo como tal deu ritmo ao time, com transições rápidas e envolventes. A aproximação de outros atletas ampliava o rendimento, e o primeiro gol do Fantasma saiu por ali. Jogada de Cleyton, participação de Uilliam, desafogo de Maílton e cruzamento, novamente com Cleyton, na cabeça de Felipe Augusto.

Os camisas 2 e 11 também preenchiam bem o sistema de marcação, inibindo jogadas ofensivas do rápido Anderson Oliveira. A forma como o técnico Gerson Gusmão montou a contenção desde o ataque também foi um destaque. Em determinados momentos houve marcação em pressão, mas a ocupação de espaços era o que prejudicava a saída de jogo do Londrina. Em boa parte do primeiro tempo, sem a bola, Marcelo centralizava no ataque, enquanto Uilliam e Felipe Augusto fechavam em linha ao lado dele. Atrás dessa trinca, outra com Cleyton, Jardel e Índio à frente da defesa. As duas linhas de três conseguiam se mover lateralmente, sem um maior desgaste.

A retomada da bola com o time compactado porporcionava chegadas rápidas ao ataque. Em alguns momentos rápidas até demais, o que provocava erros, mas é só uma questão de aperfeiçoamento, sem crises maiores. Felipe Augusto, muito bem tecnicamente, e Uilliam, não tão inspirado quanto pode, funcionaram para ocupar o espaço comumente destinado a um centroavante mais “pesado”: troca de posições, aproximação entre eles e os meias. Pena a lesão muscular do camisa 9, que será reavaliado pelo departamento médico.

Claro que é preciso destacar a partida eficiente de Jardel, substituto do capitão Chicão, que traz melhor saída de bola e armação de jogadas desde a primeira linha de meio de campo. Com bom posicionamento, antecipa-se bem. Prova foi o gol de Marcelo, com roubada de bola e passe para o camisa 10. Com mais ritmo de jogo, tem tudo pra Jardel evoluir mais.

No segundo tempo, a disposição tática mudou um pouco, tanto na parte ofensiva quanto na defensiva. Marcelo veio mais para o lado direito para ajudar Maílton na marcação e Cleyton saía do meio para a esquerda quando o time avançava. Na recomposição, o grupo marcava na maior parte do tempo com Jardel e Índio numa linha e mais centralizados e Marcelo, Cleyton e Felipe Augusto um pouco à frente. Apesar de parecer compactado, houve mais espaço ao rival do que no primeiro tempo. Mesmo assim o time não sofreu com chances claras do adversário. Alguns sustos vieram com erros individuais, o que em partes é 'bom' porque mostra que o sistema em si está bem entendido. Não funcionou tanto quanto na etapa inicial, mas é algo normal, em meio a mudanças significativas na forma de jogar. E, sim, é necessário ter variações. Apesar de Cleyton ter ficado longe de Maílton, não dá pra depender deles apenas juntos. O camisa 11 já demonstrou que é produtivo do lado esquerdo também, e Maílton já vinha jogando bem mesmo quando Cleyton estava machucado.

O retorno do Operário à Série B, além registrar de longe o melhor jogo do time no ano, também trouxe novas ideias, o que revitaliza a confiança interna e externa. Há mais uma semana para aperfeiçoamento e novo duelo em casa, agora contra o CRB, para que não seja mais "direita, volver", e sim avante e acima na classificação.

https://www.netesporteclube.com.br/coluna/207/direita-volver" data-text="Direita, volver">
‎Emmanuel Fornazari

‎EMMANUEL FORNAZARI

Jornalista formado pela UEPG em 2010, foi repórter de esportes e política do Jornal da Manhã de Ponta Grossa, no Paraná. Foi produtor, âncora e colunista da Rádio Sant''Ana, editor-chefe do programa esportivo Show de Bola do SBT e comentarista esportivo do programa Esporte Emoção, da TV Educativa. Atualmente, além de diretor geral do Net Esporte Clube, é editor de texto na Rede Massa/TV Guará/SBT.

PublicidadeNEC