Jogadores pelo Brasil podem ter redução salarial; OFEC adota cautela

Jogadores pelo Brasil podem ter redução salarial; OFEC adota cautela

No Operário, Álvaro Góes deve iniciar tomada de decisão na próxima segunda - Foto: José Tramontin/OFEC

O momento é de impasse no futebol brasileiro. Sem jogos, sem treinos, sem público e sem exposição de patrocinadores, a Comissão Nacional dos Clubes e a Federação Nacional de Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) tentam encontrar um meio termo para que ninguém saia perdendo em meio à pandemia do coronavírus.

Uma das propostas mais recentes é a redução de 25% do salário dos jogadores, jogos até os dias 22 ou 23 de dezembro e férias logo em seguida, retardando o início da temporada 2021.

Muitos dirigentes avaliaram com otimismo a proposta. Mas, segundo o jornalista Paulo Vinícius Coelho, os jogadores só aceitariam a proposta caso a CBF participasse como avalista das dívidas - o que não deve ocorrer por decisão da própria Confederação Brasileira.

Ou seja, o impasse continua e a tendência é que os clubes acabem resolvendo individualmente a situação.

E O OPERÁRIO?

Entre os 40 grandes do país, o Fantasma vive algo inédito na história recente. O momento é de cautela em Vila Oficinas e as definições sobre acordos começarão na próxima segunda-feira (30).

Tudo deve ser levado em conta nesta hora, inclusive a incerteza em relação ao calendário nacional. Ninguém sabe ao certo quando o futebol será normalizado em todo o país. Pode ser abril, maio, junho.... ainda não há uma resposta concreta.

Muitos clubes estão enfrentando o pedido de redução dos valores pagos por patrocinadores e com o Operário não é diferente. Mesmo com marcas bastante parceiras, o Fantasma já recebeu pedidos de empresas para que os pagamentos sejam prorrogados ou suspensos neste momento em que praticamente não há exposição de marca, o que certamente vai interferir nos cofres de Vila Oficinas.

Apesar das indefinições, a palavra de ordem nos bastidores do Operário é tranquilidade. O presidente do Grupo Gestor, Álvaro Góes (que também expõe sua marca no clube), pretende negociar com patrocinadores para que ninguém saia prejudicado.

Há duas possibilidades analisadas neste primeiro momento: pemitir a prorrogação por 30 dias dos pagamentos de patrocinadores ou suspender esse pagamento e distribuir o valor nas demais parcelas do ano.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Felipe Gustavo

Felipe Gustavo

Jornalista formado pela UEPG em 2012, foi repórter de Esportes do Jornal da Manhã e setorista do Operário pelas rádios CBN e Difusora. Trabalhou no projeto Futsal Daqui, além de ter sido jornalista na Rádio MZ FM. Trabalha na produção de conteúdo da Rede Massa. É editor e comentarista no Net Esporte Clube.