Amor pela velocidade

Amor pela velocidade

Carlos Alexandre e Carlos Vaz: registro da última corrida com vitória garantida - Foto: Angelo Gomes

Velocidade: uma paixão que passou de pai para filho. É assim que se define a relação de Carlos Vaz e o filho Carlos Alexandre Vaz em carreiras dedicadas ao esporte e recheada de vitórias. E foi um amor que ultrapassou os limites da família, ganhando uma cidade, com Carlos, o pai, sendo um dos maiores incentivadores da Velocidade na Terra em Ponta Grossa. Muitas pessoas vão lembrar das tradicionais provas realizadas no Autódromo André de Geus. Famílias inteiras aproveitando o final de semana de disputas, competidores de diferentes cidades do Paraná e até de outros Estados, churrasquinho improvisado, histórias e mais histórias, diversão e muita poeira.

SORTE E PAIXÃO

Carlos Alexandre Vaz, o filho, conta que tudo começou quando o pai comprou uma rifa e ganhou um kart. “Ele começou participar das competições sempre com bons resultados. Depois migrou para fórmula 180 e depois Fusca Cross ainda no tempo em que a pista ficava no Clube Lagoa. Depois foi para o Auto Cross com títulos no Paraná e Santa Catarina, e por último corria na categoria Turismo na terra”.

E foi ao ver o pai, com tanta dedicação e resultados positivos, que sentiu a vontade de seguir com o esporte e a velocidade. No ano de 1997, quando Carlos Alexandre estava para completar 12 anos, começou a competir. “Era tarde para quem começa no kart, mas aqui preciso citar Roberto Hensi (Bochecha). Foi meu mentor. Foram muitas provas juntos, muito aprendizado, muitas alegrias e tristezas, o que é normal no esporte”, complementa o piloto. 

“Foram muitas provas juntos, muito aprendizado, muitas alegrias e tristezas, o que é normal no esporte”. Carlos Alexandre Vaz

Também teve um outro importante apoiador nas competições. “Eu, por sempre acompanhar, adorava as competições, e por insistência comecei a participar no kart. O Passarinho (meu padrinho nas competições e que tenho grande admiração) conseguiu um kart emprestado para eu testar. Depois conseguimos comprar e comecei a competir. Foram quatro anos em competições regionais, estaduais e nacionais”.

RIVALIDADE EM CASA

Carlos Alexandre relembra dos bons momentos que teve ao lado do pai. O pai com a experiência e o filho com o arrojo. “Participamos do ano 2000 até 2004 no Auto Cross. Disputamos títulos e criamos até uma rivalidade nas pistas. Depois disso corremos algumas provas em dupla e chegamos vencer por três vezes juntos”.

BOAS LEMBRANÇAS 

As lembranças que o jovem piloto leva são de muito aprendizado, tanto nas pistas como fora delas. “Tempos em que viajava de motorhome era muito bacana. Eu obtive dois títulos estaduais na Terra – 2002 no Auto Cross e 2007 na Turismo. Tive também boas participações em provas nacionais nas duas categorias. Impossível citar a melhor lembrança, pois foram muitas. Fiz muitos amigos e isso é o mais importante”.

MUDANÇA DE ARES

Depois de anos na Velocidade na Terra, Carlos Alexandre se arriscou nas provas de rali de regularidade. E as vitórias continuaram chegando, aumentando a coleção de troféus. “São competições muito diferentes. Meu primeiro rali foi em 2006 e já começamos no pódio com o navegador Rodrigo Czech. Ele começou comigo, como navegador, e depois participou de provas de âmbito nacional como o Sertões. Num primeiro momento, eu participava somente das provas do Sul. Mas em 2009, comecei a fazer todas as etapas do Mitsubishi Motorsports junto com Navegador Ricardo Wagner. Ficamos em terceiro no campeonato de 2010 vencendo provas e encerramos em 2011”.

Mas ele queria ainda novas experiências e chegou a participar de provas no asfalto de Turismo e longa duração de 2011 até 2019. Contudo, a vontade de voltar a vencer no rali falou mais alto. “Ano passado voltei ao Mitsubishi Motorsports junto com navegador Luís Alberto Scarati Júnior (com os apoiadores Mont Koya e Balaclava Motors). Ficamos entre os cinco primeiros em todas as provas e tivemos duas vitórias. Esse ano a primeira prova estava marcada para Tiradentes-MG, mas adiada por conta da pandemia. Acredito que comece em Petrópolis-RJ em maio e vamos com boas expectativas de resultado”. 

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Alexandre Costa

Alexandre Costa

Alexandre Costa é jornalista formado pela Universidade Estadual de Ponta Grossa em 2001. Pós-graduado em Assessoria de Comunicação, Gestão Estratégica de Pessoas e com MBA em Gestão Empresarial. Foi produtor e editor na TV Guará-Rede Massa e na RPC Ponta Grossa. Também já foi repórter e chefe de redação do Jornal Diário dos Campos e do Jornal da Manhã, além de ter trabalhado na Rádio Sant’Ana e CBN Ponta Grossa. Trabalhou como assessor da Paraná Esporte na cobertura dos Jogos da Juventude do Paraná e Jogos Abertos do Paraná e foi o idealizador do portal esportivo Net Esporte Clube em 2009. Escreve sempre às sextas-feiras.

Assine o Clube NEC!

Colabore para manter a nossa cobertura de jornalismo independente sobre o esporte de Ponta Grossa (PR). Você tem opção de ajudar com uma pequena quantia todo mês no crédido recorrente ou, então, um valor para o plano semestral com desconto e opção de parcelamento ou boleto bancário em cota única!