A solução está na base

A Pandemia trouxe grandes transformações na vida dos brasileiros e o futebol sofre consequências. No ano passado, mesmo aos trancos e barrancos, as disputas aconteceram país afora e o que todos esperavam é que este ano tudo fosse diferente. Não está sendo, pelo menos por enquanto.

Os clubes profissionais, que já enfrentavam situação difícil do ponto de vista financeiro, passaram a viver um drama com o corte de patrocinadores e a debandada do sócio torcedor. O Operário Ferroviário, mesmo não demonstrando desespero, sabe que tudo pode piorar caso a situação não se modifique com a chegada da imunização.

As contratações estão acontecendo pelos lados de Vila Oficinas, mas o torcedor esperava mais. Até agora tivemos apenas a reposição de peças que foram liberadas. Se as mudanças vão trazer vantagem é uma situação que ainda precisa ser avaliada. Nem todas as contratações significam reforços. Mas o torcedor entende o que está acontecendo.

O que o Grupo Gestor está fazendo é louvável diante de um quadro tão nebuloso. Com receita minguada, os dirigentes vão às compras por entenderem que uma melhoria é necessária para buscar o objetivo que não foi alcançado em 2020. Se conseguir passar pela primeira fase da Copa do Brasil, sobra um fôlego considerável, mas não o suficiente para se pensar numa temporada inteira. 

As outras grandes equipes do Brasil, na sua maioria, estão recorrendo aos jovens revelados na categorias inferiores e lançam atletas que sequer atingiram  os 18 anos. E nesta faixa etária, o exemplo notável é Pelé, que foi campeão do mundo aos 17 anos. Uma raridade, se considerarmos que poucos treinadores teriam a coragem de promover um atleta tão jovem e tão promissor. 

Estamos assistindo uma nova realidade. Os garotos de hoje já não sentem a responsabilidade de vestir camisas pesadas e servem de solução para aqueles clubes que, endividados, não conseguem grandes investimentos. 

O Operário poderia estar gozando do mesmo privilégio se o passo acertado do Grupo Gestor tivesse chegado mais cedo. Tudo estava se encaminhando muito bem até a chegada do Covid-19.

Uma participação inédita na Copa São Paulo de 2019 com resultados surpreendentes. Classificação na primeira fase, empate com o poderoso São Paulo e nenhuma derrota até sair da disputa caindo nos pênaltis para o Santa Cruz. Um time que deixou ótimas perspectivas para aproveitamento da base no elenco profissional.

 A sequência de trabalho, contudo, mostrou outra realidade. O treinador do time profissional até relacionou alguns nomes, mas o aproveitamento foi quase nulo. Faltou coragem, principalmente para a disputa estadual. Na sequência, nada mais foi feito, pois o mundo passou a viver sob o medo do vírus e as competições de base canceladas pela FPF. 

Restaram algumas poucas promessas que ainda podem ter maiores oportunidades, já que o Operário tem jogadores de larga experiência que podem dar ótima contribuição aos garotos. Será preciso, entretanto, que a Comissão Técnica não fique presa à desculpa de que eles podem tremer. Nos dias atuais, jogadores jovens têm bom equilíbrio emocional e já não se assustam com a profissão que escolheram. E a política de emprestá-los para garantiram rodagem em outros clubes é equivocada. Eles precisam crescer na equipe que escolheram para se promover e alcançar voos mais altos na carreira.

Que a Pandemia que sufoca todos nós seja o caminho tão desejado por aqueles que buscam o seu espaço no Operário e representem investimento com retorno garantido para os cofres alvinegros.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Altayr Bail

Altayr Bail

Altayr Bail é jornalista profissional, com registro número 507 na Delegacia Regional do Trabalho no Paraná, desde 27/03/1973, com atuação nos jornais Diário dos Campos, onde foi redator e editor responsável por 17 anos, Diário da Manhã e Jornal da Manhã. Foi criador e redator do Jornal do Empresário, da ACIPG, editor dos boletins do Guarani e América Pontagrossense. Também foi o editor de programas esportivos nas rádios Clube, Difusora, Central do Paraná, CBN e Lagoa Dourada. Como apresentador de programas esportivos atuou na TV Esplanada (hoje RPC) e  TV Educativa. Trabalhou na Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal e na Liga Desportiva de Ponta Grossa. Escreve às segundas-feiras no portal Net Esporte Clube. 

Assine o Clube NEC!

Colabore para manter a nossa cobertura de jornalismo independente sobre o esporte de Ponta Grossa (PR). Você tem opção de ajudar com uma pequena quantia todo mês no crédido recorrente ou, então, um valor para o plano semestral com desconto e opção de parcelamento ou boleto bancário em cota única!