Reação oportuna

Reação oportuna

Operário venceu o Brasil de Pelotas de virada por 2 a 1 - Foto: André Jonsson/OFEC

A virada do Operário pra cima do valente Grêmio Brasil veio em muito boa hora. Enfrentou dificuldades até inesperadas, mas teve paciência e boa vontade para buscar o que realmente interessava. Depois de perder o atacante Paulo Sérgio logo no inicio do jogo, a preocupação aumentou com o pênalti cometido pelo Simão. Mas foi o próprio goleiro que devolveu uma tranquilidade momentânea e que perdurou até o final do primeiro tempo. 

Esperava-se um Operário bem mais decidido e objetivo no segundo tempo, mesmo que as peças do meio campo e do ataque não estivessem correspondendo. Quando veio o gol dos gaúchos, a ansiedade voltou. Apesar das seguidas mudanças do técnico Matheus Costa, parecia que o Fantasma iria amargar mais um resultado negativo.    

Foi com bolas paradas e a presença de zagueiro na área do Brasil que a virada aconteceu. A entrada de Marcelo foi a melhor decisão do treinador, pois ele continua sendo o único com lucidez e bom futebol no setor  criativo. Os demais são jogadores esforçados, mas que pecam pela individualidade e falta de fôlego para o tempo integral.

O time continua sentindo a ausência de outras peças importantes. Com a contusão de Paulo Sérgio aumenta o drama do treinador. Afinal, Ricardo Bueno continua sendo o melhor atacante e esperança de gols, mas a sua volta ainda não está assegurada. Sem ele e com pouca objetividade dos armadores, o sofrimento do torcedor parecer não ter fim. 

A vitória veio para dar mais confiança ao elenco, mas será preciso uma sequência de bons resultados, mesmo que o rendimento do time esteja longe de convencer. Parece que o problema da zaga está solucionado, mas nem o técnico tem certeza  disso. Reniê sente-se mais a vontade jogando pelo lado direito e Fábio Alemão é raça pura. 

Movimenta-se o Grupo Gestor para a conquista de novos jogadores, especialmente da cabeça-de-área, já que as contusões estão acontecendo num volume inesperado e quem apostou num elenco capacitado já tem motivos de sobra para duvidar dessa convicção. Menos mal que a diretoria garantiu a permanência de Djalma Silva, um dos melhores do grupo.  

A sequência de jogos do Operário parece ser a mais apertada de todos os demais concorrentes.  Não é nenhuma novidade, mas as contusões, cartões e sucessivas viagens, inclusive via terrestre, representam desafios ainda maiores para um time de salário em dia e que deseja chegar num ponto mais alto na tabela. 
     

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Altayr Bail

Altayr Bail

Altayr Bail é jornalista profissional, com registro número 507 na Delegacia Regional do Trabalho no Paraná, desde 27/03/1973, com atuação nos jornais Diário dos Campos, onde foi redator e editor responsável por 17 anos, Diário da Manhã e Jornal da Manhã. Foi criador e redator do Jornal do Empresário, da ACIPG, editor dos boletins do Guarani e América Pontagrossense. Também foi o editor de programas esportivos nas rádios Clube, Difusora, Central do Paraná, CBN e Lagoa Dourada. Como apresentador de programas esportivos atuou na TV Esplanada (hoje RPC) e  TV Educativa. Trabalhou na Assessoria de Imprensa da Câmara Municipal e na Liga Desportiva de Ponta Grossa. Escreve às segundas-feiras no portal Net Esporte Clube.