Paranaense inicia em meio ao caos

Paranaense inicia em meio ao caos

Marca oficial do Campeonato Paranaense

O Campeonato Paranaense de Futebol – apesar de quatro partidas adiadas por conta da pandemia e recomendações do MP após o decreto estadual de restrições – começou nesse fim de semana, e o Operário faz a estreia encarando o Azuriz no Germano Krüger. 

E o começo da jornada estadual coincide com um momento em que faltam leitos de UTI na mesma proporção que se multiplicam as internações e óbitos por conta da Covid-19. Poucas horas antes do início da rodada do Paranaense o Estado recebeu um decreto que pede o fechamento de quase tudo, com o objetivo de atenuar o pior momento – até agora – da pandemia e reduzir a lotação dos leitos de UTI e frear a onda de mortes das últimas semanas. 

Encurtando o caminho: não há clima para um começo de campeonato. No momento em que mais morre gente por causa do vírus, tem-se uma rodada inicial de um furibundo Estadual. Um torneio que já nasce equivocado, com boa parte das equipes não tendo uma folga digna e pré-temporada adequada após o fim dos campeonatos nacionais. Alguns elencos remendados, outros com times de aspirantes e alguns montados às pressas. E para piorar um colapso no sistema de saúde e apreensão pelo que pode acontecer nas próximas semanas. 

Mas gostar de futebol, em sua essência, é ser contraditório. Então, ao mesmo tempo que não tem clima e nem porquê começar um Paranaense agora, o torcedor, puto já por não poder ir ao estádio ver seu time há mais de um ano, também pensa consigo: pô, a gente já está numa desgraça danada, e nem um futebolzinho pra amenizar? Ao mesmo tempo, vale a pergunta: se fecha quase tudo, por que o futebol também não para? Vale a pena toda essa mobilização – lembrando que para um jogo ocorrer é obrigatória a presença de uma ambulância, item essencial em crise sanitária – e risco por uma dezena de jogos de relevância histórica e qualidade questionáveis? Ou ainda: se eu sou obrigado a pegar ônibus, ir para o trabalho, por que esses caras não podem ir a campo “respeitando todos os protocolos”? 

No meio desse emaranhado de perguntas sem respostas, a verdade é que o Campeonato Paranaense começa muito diferente do que a gente imaginou lá atrás. A temporada 2021 inicia com a de 2020 nem terminando direito (e jogando partidas do ano passado em 2021!), para piorar, em um cenário de pandemia muito pior do que tínhamos no ano passado. O Paranaense começa em meio ao caos, e a única esperança é que esse começo trôpego tenha como finalidade, pelo menos, de alívio e distração para tempos tão difíceis.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Jeferson Augusto

Jeferson Augusto

Jeferson Augusto é jornalista, formado pela UEPG, com mais de 15 anos de profissão. Foi repórter de Esportes por cinco anos no Diário dos Campos, além de ter atuado nas editorias de Cidades e Política. Foi chefe de Redação do mesmo jornal e hoje é assessor de comunicação da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG). Acredita fielmente que futebol é mais do que um jogo, é uma das poucas coisas que reúne todas as sensações humanas em um curto espaço de tempo. Escreve sempre aos domingos.

Assine o Clube NEC!

Colabore para manter a nossa cobertura de jornalismo independente sobre o esporte de Ponta Grossa (PR). Você tem opção de ajudar com uma pequena quantia todo mês no crédido recorrente ou, então, um valor para o plano semestral com desconto e opção de parcelamento ou boleto bancário em cota única!