Caráter de jogo com Paysandu traz responsabilidade maior ao Operário

Jogadores têm que lutar para manter elenco profissional na ativa

Caráter de jogo com Paysandu traz responsabilidade maior ao Operário

Partida contra o Paysandu definirá destino do elenco alvinegro - Foto: Emmanuel Fornazari

PublicidadeNEC

Daqui exatos 30 dias o Operário Ferroviário entra em campo não só para chegar a uma fase jamais alcançada pelo clube na Copa do Brasil, mas também para manter ativo o elenco profissional por pelo menos mais um mês.


Rebaixado no Campeonato Paranaense, o Fantasma não conseguiu vaga na Série D do Campeonato Brasileiro como no ano passado. Dessa forma, um revés contra o Paysandu fará com que boa parte dos atletas deixe o clube - mesmo que de forma provisória.


O alvinegro terá ainda a disputa da Taça FPF, que é válida como uma competição profissional. Contudo, o limite de idade (sub-23) permitirá que o elenco formado para o Estadual, com boa parte tendo vínculo renovado pela Copa do Brasil, seja desfeito.


Para o lateral Danilo Báia, esta condição traz ainda mais responsabilidade para o grupo de jogadores. “Temos que ter ainda mais concentração, pois sabemos que a temporada depende desse jogo. E com certeza a doação será ainda maior”, garante.


Caso avance de fase, o Fantasma enfrentará o Juventude (RS), com mais dois jogos garantidos nas datas pré-divulgadas de 20 e 27 de julho. O primeiro jogo seria no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, e o segundo no Estádio Germano Krüger.


Renovação de contrato


Mesmo em caso de insucesso, a diretoria do Operário já anunciou que pretende estender o contrato de parte do atual grupo de jogadores para que os atletas atuem na Divisão de Acesso de 2017. Com isso, os jogadores seriam emprestados para retornar ao clube no ano que vem.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!