Zagueiro Sosa recebe alta do hospital, mas fica três meses afastado do Operário

Diagnóstico é de tromboembolismo pulmonar, situação rara em atletas

Zagueiro Sosa recebe alta do hospital, mas fica três meses afastado do Operário

Sosa ficará três meses afastado das atividades no Operário; retorno está previsto, na melhor das hipóteses, para outubro. - Foto: José Tramontin / OFEC

Após passar 24 horas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e dias em repouso e observação no quarto, o zagueiro Juan Sosa, do Operário Ferroviário, deve ficar três meses afastado das atividades cotidianas. Ele foi diagnosticado com tromboembolismo pulmonar. O atleta recebeu alta do hospital na tarde de quinta-feira (11) e segue em repouso em casa.

Segundo o médico do OFEC, José Augusto Bach, o zagueiro sentiu dores no tórax após o amistoso com o Palmeiras (SP), no dia 04 de julho, na capital paulista. “A característica da dor que ele relatou foi diferente do que já havia sentido como atleta durante a vida. E não se curava com um analgésico e relaxante muscular. Com isso, demos a orientação de que ele fizesse uma avaliação cardiológica”, explica.

A situação do zagueiro era estável, mas o cardiologista responsável pelos exames solicitou um exame pneumológico. “Na sexta-feira à noite ele ligou e disse que estava com os exames. Com as imagens do exame apareceu uma imagem base pulmonar, mas que poderia se tratar de um processo inflamatório, infeccioso”, afirma José Augusto.

No sábado (06), a equipe treinou normalmente em Carambeí, mas o zagueiro ficou em observação. Porém na manhã deste dia, Sosa entrou em contato com o médico do time, que o encaminhou diretamente para o hospital.

Foi realizada uma angiotomografia, que identificou também a situação vascular do pulmão. Os resultados deram algumas hipóteses de diagnóstico, entre elas o que foi confirmado depois: o tromboembolismo pulmonar. “É uma situação que dá predisposição, atacando pessoas sedentárias, idosas, que não tem muita atividades, obesa, uso de drogas contínuas, fumantes. Ou seja, tudo que um atleta não é. Além disso existem outras possibilidades, mas que precisam ser investigadas”, explicou o médico da equipe.

O zagueiro segue afastado dos treinos para observação e a continuidade do tratamento. “A previsão de tempo de tratamento é de seis meses a um ano com medicamento anticoagulante, para uma pessoa não atleta. Para o Sosa que é um atleta, a previsão do cardiologista é de três meses afastado com o uso dos medicamentos necessários. Nesses três meses ele vai fazer acompanhamento. E após a cicatrização em três meses, o cardiologista pode liberá-lo para as atividades”, declarou o Dr. José Augusto Bach.

Com isso o retorno previsto do atleta à rotina de treinamentos e atividades realizadas no clube é de que seja apenas no mês de outubro, no melhor cenário.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!