PublicidadeNEC

Fotógrafa é vítima de assédio verbal enquanto trabalhava no Germano Krüger

Operário se pronunciou através de nota de repúdio após o acontecido

Por: Raylane Martins em 07/11/2019 09:00:00

Fotógrafa é vítima de assédio verbal enquanto trabalhava no Germano Krüger

Em setembro deste ano, o OFEC lançou um projeto chamado 'O Operário é de todos', em apoio às lutas de minorias - Foto: José Tramontin/ OFEC

Fotógrafa é vítima de assédio verbal enquanto trabalhava no Germano Krüger
PublicidadeNEC

Um caso de assédio contra a mulher marcou a partida de Operário Ferroviário e Criciúma pela Série B do Brasileirão, nesta terça-feira (5). A fotógrafa Milena Oliveira, jornalista em formação, foi assediada verbalmente por um homem da torcida local enquanto trabalhava - ela respondeu, identificou o indivíduo e fez um registro fotográfico que no dia seguinte foi enviado por ela ao Operário como denúncia.

“Respondi a ele que só estava trabalhando, pedi respeito, disse que poderia ser com alguém da família dele e ainda que o Operário poderia perder pontos. Ele me respondeu dizendo ‘você fica linda brava’”, conta. 

Milena trabalha com fotografia nos jogos do Operário desde a final da Série D de 2017. Diante do assédio e da situação constrangedora, procurou os colegas de trabalho - homens, fotógrafos - que foram até o indivíduo para tirar satisfações. 

“Ele não ficou em silêncio porque viu que fez o que não deveria ter feito, que assediou uma mulher, ele ficou quieto porque homens foram conversar com ele. Ele não respeitou uma mulher que está fazendo seu trabalho, ele respeitou um homem, que não foi agredido verbalmente e não faz ideia do que é lutar diariamente para poder fazer seu trabalho. Homens como ele acreditam que por estar dentro do estádio tem o aval de ser machista, homofóbico, preconceituoso e violento”, crava. 

O Operário se pronunciou através de uma nota oficial, na tarde desta quarta-feira (6). No texto, retomou os princípios da campanha ‘O Operário é de todos’, criada a fim de combater comportamentos discriminatórios durante os jogos de futebol.

“O Germano Krüger é um ambiente democrático, mas que não tem espaço para intolerância, ódio e desrespeito. Prestamos nossa solidariedade à Milena Oliveira e colocamo-nos à disposição para o que for preciso”, declarou o documento. 

Segundo a Delegada Claudia Krüger, responsável pela delegacia da mulher de Ponta Grossa, a orientação nesses casos é que sejam acionados os policiais presentes e eles saberão as medidas a serem tomadas. “O adequado é sempre acionar as autoridades no momento do fato para que o autor seja devidamente identificado e buscar testemunhas que presenciaram momento”, explica Claudia.

Mas na prática, não é tão simples. "Essas situações não se enquadram em uma Lei Maria do Penha, por exemplo, porque não é uma pessoa com quem ela tem relacionamento íntimo de afeto, mas todo assédio merece e deve ser denunciado. O trâmite é fazer um boletim de ocorrência na polícia, se conseguir identificar a pessoa. No momento, se tiver alguém da PM e alguma testemunha no momento, a polícia leva a pessoa para lavrar um termo, ser ouvido. Tudo isso precisa encaminhado para um juizado especial criminal, para que a pessoa responda da mesma forma", explica a Assistente Social do Juizado de Violência Contra a Mulher, Bruna Woinorvski. 

Milena já registrou boletim de ocorrência contra o indivíduo e procurou uma advogada. O Operário não falou sobre ações efetivas a respeito do caso, mas planeja depositar mais esforços em iniciativas de conscientização da torcida. 

 

https://www.netesporteclube.com.br/artigo/Operario/8997/fotografa-e-vitima-de-assedio-verbal-enquanto-trabalhava-no-germano-kruger" data-text="Fotógrafa é vítima de assédio verbal enquanto trabalhava no Germano Krüger ">