"Vamos deixar o Operário na melhor colocação que pudermos", diz Gersinho

Treinador do Fantasma avaliou a falta de efetividade do Fantasma na Série B

Gerson Gusmão concedeu entrevista coletiva à imprensa depois de derrota decisiva do Operário para o líder da Série B - Foto: João Vitor Rezende

O Operário Ferroviário perdeu por 2 a 0 para o Bragantino, líder e provável campeão da Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro, nesta terça-feira (12). A derrota no Estádio Germano Krüger praticamente anulou as chances de acesso do Fantasma. Depois da partida, o técnico Gerson Gusmão avaliou o desempenho da partida e traçou o futuro do elenco alvinegro na reta final da Série B.

ANÁLISE GERAL 

"Foi um grande jogo. Infelizmente o resultado não é o que nós queríamos nem o que merecíamos. Mais um jogo que a gente criou bastante e não conseguimos fazer gols. Procuramos fazer o nosso melhor e quem assistiu o jogo viu uma equipe lutando muito contra um time que vai ser campeão da Série B A gente conseguiu enfrentar de igual pra igual essa equipe, conseguimos ser ofensivos e fazer, mais uma vez, um primeiro tempo acima da média. Infelizmente, acabamos mais uma vez não sendo efetivos. Saímos de cabeça erguida, derrotados, mas de cabeça erguida".

MAILTON E O PÊNALTI 

"Entendi que teríamos uma situação boa com o Mailton recebendo a bola na frente para tentar jogada individual. Conseguiu fazer duas ou três vezes. Foi até menos acionado do que a gente pretendia, não conseguimos inverter essa bola. O objetivo era trabalhar com o Mailton com bastante amplitude de campo. Em uma das vezes, foi pênalti nele, em outra ele conseguiu finalizar. Mais uma vez, tivemos um pênalti não marcado. E esperávamos mais jogadas por ali mas acabou não se desenhando".

CHANCES DE ACESSO 

"O jogo contra o Vila Nova nós tínhamos que ter ganho. Era um jogo para fazermos três pontos. Buscamos a vitória, e não conseguimos ser efetivos, fazer o gol. Mas agora não adianta lembrar desse ou daquele jogo. Toda equipe, durante a competição, vai ter um jogo para lamentar. É procurar terminar de forma digna esses últimos jogos, buscando o nosso melhor, honrar a camisa do Operario. Luta e dedicação nunca faltou e não vai faltar nessas últimas rodadas também, vamos deixar o Operario na melhor colocação que pudermos".

FALTA DE EFETIVIDADE

"Não está faltando trabalho, o grupo se cobra muito, os atletas sabem que na competição inteira tivemos um número baixo de gols. Até melhoramos a parte defensiva, voltamos a tomar menos gols, mas a nossa parte ofensiva desde as primeiras rodadas vem deixando a desejar e acabou sendo crucial para não somarmos mais pontos. Somos a equipe que mais finalizou bola na trave e bem mais que a segunda colocada. As situações a gente tá criando, mas tem de tudo um pouco: ansiedade, uma certa falta de qualidade, azar, a escolha errada no momento da finalização. Mas falta de trabalho não é".

Compartilhe essa notícia com seus amigos!