‘Sempre tem que tirar uma lição’, diz Índio sobre amadurecimento na Série B

Jogador que estava no OFEC desde 2017 agora vai jogar na Ponte Preta

‘Sempre tem que tirar uma lição’, diz Índio sobre amadurecimento na Série B

O volante Índio vestiu a camisa do Operário Ferroviário 44 vezes no ano de 2019, sendo 33 pela Série B do Brasileiro - Foto: João Vitor Rezende

PublicidadeNEC

O volante Índio deixará o elenco do Operário Ferroviário para vestir a camisa da Ponte Preta pelos próximos dois anos. Com altas e baixas ao longo de 2019, Índio está entre os três atletas do Operário que mais atuaram pela Série B deste ano. Foram 33 jogos no campeonato, todos como titular. Nas partidas em que desfalcou o elenco, cumpria suspensão por cartão amarelo. 

Esta foi a primeira Série B disputada por Índio, jogador profissional desde 2010. O atleta de 27 anos teve passagem por sete clubes antes de desembarcar no Fantasma, em 2017. Jogar a Série B, para ele, foi uma experiência importante e de muito amadurecimento na carreira, principalmente pelas críticas recebidas na reta final. 

“Infelizmente no final acabei tendo aquelas falhas, e é ruim, não queria ter falhado, mas creio que não apaga o campeonato que eu fiz. Fui um jogador regular na maioria dos jogos. Nesses momentos difíceis a gente sempre tem que tirar uma lição. Foi bom para o meu crescimento e até para filtrar as coisas que eu acabo puxando para mim. Tive que ter uma cabeça boa para saber lidar com esse tipo de situação e para que isso não me afetasse tanto dentro de campo”, conta o jogador. 

Em estatísticas, Índio foi o segundo jogador do time com mais desarmes (73), e o jogador com mais interceptações (24). O volante também foi quem fez mais passes e quem teve mais passes certos. Por outro lado, Índio foi amarelado 12 vezes e com isso foi o jogador com mais amarelos na equipe e o 8º com mais cartões de todo o campeonato. Além disso, apesar de ter sido o 6º atleta que mais finalizou, 31 vezes, só finalizou certo 5 vezes, sendo o 4º jogador que mais errou finalizações no alvinegro.

Avaliando a campanha feita pelo Operário na Série B, Índio vê com bons olhos o resultado final. “O pessoal, por não conhecer o Operário, achava que seríamos um dos rebaixados, mas nós, que estamos aqui no dia a dia e trabalhamos bastante, sabíamos que podíamos mais e até brigamos para conseguir o acesso, infelizmente não deu”, afirma.

“Não tenho dúvida nenhuma de que foi muito importante nos mantermos nessa Série B para que nós pudéssemos conhecer, para que a diretoria pudesse conhecer um pouco mais como é jogar a Série B, para que erros não se repitam e possam concentrar-se totalmente no objetivo que é a Série A”, reconhece o jogador. 

Nos três anos que esteve no Fantasma, Índio entrou em campo 77 vezes e fez quatro gols. Na Ponte Preta, o volante também vai atuar pela Série B em 2020. 
 

* No momento desta entrevista, a decisão a respeito do futuro do atleta ainda não havia sido oficializada, portanto, o tema não foi abordado com o jogador.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
PublicidadeNEC