Mailton faz autoanálise e destaca importância do Operário na carreira

Ao NEC, Atleta relembra chegada ao clube e fala sobre o desempenho na temporada

Mailton faz autoanálise e destaca importância do Operário na carreira

Mailton chegou ao Operário emprestado pelo Mirassol depois de ser formado na base do Palmeiras - Foto: João Vitor Rezende

PublicidadeNEC

Aos 21 anos, foi no Operário Ferroviário que o lateral-direito Mailton chegou ao seu primeiro gol como jogador profissional e alcançou repercussão pelo desempenho em campo. O atleta foi apresentado pelo Fantasma em abril depois de uma passagem pelo Mirassol e atuou em 28 jogos pela equipe ponta-grossense até o fim da Série B. Ele falou em entrevista exclusiva ao Net Esporte Clube e analisou a temporada.

"Sabia da força que era jogar em Ponta Grossa, todos estavam falando bem desse time, que estava em crescente, dois acessos seguidos. Não pensei duas vezes quando tive a oportunidade. Sabia da força do grupo, dos jogadores que eu já conhecia. Infelizmente não conseguimos o acesso que era o objetivo principal, mas fizemos uma boa campanha", avalia. 

Mailton foi o atleta do Operário que mais arriscou cruzamentos (204), o atleta com mais desarmes (78), o atletas com mais dribles (42), o 3º que mais finalizou (57) e o jogador com mais posse de bola do elenco. Por outro lado, pela característica ofensiva e de muita velocidade, acabou deixando a desejar em alguns aspectos técnicos: foi quem mais errou passes e, dos 204 cruzamentos, errou 159.

"Todo atleta precisa ter sua autocrítica, saber o que precisa melhorar, e eu me cobro muito. Procuro todo dia estar trabalhando mais a parte defensiva, já que tenho facilidade maior para chegar ao ataque. Por ser muito ofensivo, quero aperfeiçoar também a parte defensiva, e isso me cobro bastante no dia a dia, nos treinos, pra evoluir bem e não comprometer atrás", ressalta. 

Outro destaque a respeito de Mailton está no número de faltas. O lateral sofreu 108 faltas no campeonato - foi o segundo jogador de toda a competição com mais faltas sofridas. “No final, depois da virada do turno, eu acabei ‘apanhando’ bastante, todo jogo, contra o Vitória foi uma vergonha... mas faz parte", desabafa. 

Sobre críticas, Mailton responde com tranquilidade. "É normal, quando eu acertar vão me aplaudir e quando eu errar vão falar que sou individualista, não só no Operário como em qualquer outro clube. Encaro isso bem, sei diferenciar as coisas", afirma o lateral.

Mailton ainda não confirmou qual camisa vestirá em 2020, mas ressalta a importância do Operário para a carreira. "Estou curtindo a minha família, curtindo os meus amigos, e tentando não me preocupar com isso, mas eu fico por dentro, estou sabendo das coisas que estão acontecendo, sondagens. Mas de concreto ainda não chegou nada. Lá atrás eu disse ao meu empresário que eu precisava de sequência e no Operário tive sequência, fiz tudo para ir bem. O extra-campo eu acabo deixando para os meus empresários resolverem", destaca. O atleta não descarta a chance de continuar no alvinegro. "Há chance, foi onde fui muito feliz", define.

Amigo do zagueiro que atuou pela Seleção Brasileira, Miranda, e tendo Daniel Alves como ídolo, Mailton sonha com um futuro semelhante aos dos colegas de profissão. "É o sonho de todo jogador chegar à uma seleção brasileira, conquistar pelo menos um pouco do que eles conquistaram, jogar em um grande clube da Europa. É o patamar mais alto que um jogador de futebol pode alcançar e com certeza isso não sai da minha cabeça", crava o jovem jogador. 


* Com colaboração de João Vitor Rezende Borba.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
PublicidadeNEC