Prefeitura oficializa 'doação’ do Estádio Germano Krüger ao Operário

Estádio passa do poder público para o clube; cessão estipula condições

Prefeitura oficializa 'doação’ do Estádio Germano Krüger ao Operário

Depois de tentativas de municipalização, o Estádio Germano Krüguer está 'regular' como posse do Operário Ferroviário - Foto: José Tramontin/ OFEC

A publicação do Diário Oficial do Município de Ponta Grossa nesta terça-feira (10) trouxe, na primeira página, a oficialização da ‘doação’ do Estádio Germano Krüger ao Operário Ferroviário Esporte Clube. A medida, na verdade, trata-se da regularização do terreno depois de uma série de imbróglios envolvendo a privatização ou municipalização da área.

O projeto foi assinado pelo prefeito Marcelo Rangel e enviado à Câmara de Vereadores no dia 18 de outubro deste ano. O repasse do estádio da Prefeitura para o clube já teria sido iniciado em 1988 pelo então prefeito Otto Cunha, mas não teve sequência por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

A discussão sobre o real proprietário do Estádio Germano Krüger vem se estendendo desde setembro de 2018, quando os sócios da parte social do Operário Ferroviário discutiram a cessão do espaço do estádio à prefeitura. A justificativa, na época, era a busca de recursos para a ampliação do estádio, que precisava passar de 8,8 mil lugares para pelo menos 10 mil em capacidade, conforme a norma obrigatória para a Série B. A proposta de municipalização não passou e, pouco tempo depois, a discussão sobre o real dono do GK, em lei, teve início. 

A publicação no Diário Oficial além de ‘doar’ e, portanto regularizar o terreno, estabelece contrapartidas para que o Operário seja o dono do Germano Krüger. A sede do clube deve permanecer em Ponta Grossa e o espaço não pode ser transferido ou alienado a terceiros e, nas competições esportivas, o Operário deve representar o município, incluindo a bandeira da cidade na camisa.

As outras duas reivindicações estão voltadas a ações de cunho social. O time se compromete a formar as categorias de base, preferencialmente com atletas locais e com no mínimo 10% das vagas para atletas carentes. Por último, o clube precisa cooperar com o Poder Executivo para a realização de atividades e programas sociais na área do esporte.

Veja mais detalhes sobre o assunto na coluna NEC do dia 31 de outubro: A regularização (e não doação) do Estádio Germano Krüger

Compartilhe essa notícia com seus amigos!