David Aroldo completa um ano à frente da presidência do Operário Ferroviário

A Equipe NEC entrevistou o presidente e fez um panorama do 1º ano de gestão

David Aroldo completa um ano à frente da presidência do Operário Ferroviário

David Aroldo tem 71 anos e é o Presidente do Operário Ferroviário desde o dia 15 de dezembro de 2018 - Foto: Raylane Martins

PublicidadeNEC

O presidente do Operário Ferroviário, David Aroldo Nascimento, completa um ano de gestão. A chapa ‘Unindo o Fantasma’ foi eleita no dia 15 de dezembro de 2018 e tinha como principal proposta conciliar futebol e clube social, dando independência ao Grupo Gestor de Futebol sem deixar de atender às exigências dos associados ao clube social. 

No dia 11 de dezembro de 2018, em meio às campanhas eleitorais, o Net Esporte Clube entrevistou o até então candidato David Aroldo. Na entrevista, David falou sobre as propostas caso fosse eleito presidente: o Grupo Gestor não seria motivo de preocupação, e as atenções estariam voltadas às melhorias urgentes necessárias nas instalações do clube social; manter os campeonatos de futebol suíço; otimizar o uso da piscina; criar parcerias com empresários para conseguir recursos; dar benefícios aos sócios do social no programa de sócio-torcedor; ter uma administração transparente com prestação de contas e realizar assembleias constantes com associados. 

A principal demanda, entre as propostas, era nas estruturas do clube social - campos, estacionamento, churrasqueiras, piscina, banheiros e assim por diante. Neste primeiro ano, a churrasqueira principal foi fechada com vidros e foram construídos, ao lado, três banheiros (feminino, masculino e para cadeirantes). A segunda área de churrasqueira teve o piso melhorado e no campo de society, ao lado, está sendo feita a recuperação do gramado e a instalação de redes e telas. Foram adquiridas 15 mesas novas para as churrasqueiras. 

Ainda na estrutura foi construído um parquinho para crianças, que ainda está na grama, mas terá areia; uma quadra de vôlei de areia com ducha anexa; e uma ‘guarita’ para controlar a entrada das pessoas no clube. Câmeras de segurança e bebedouros nos campos de suíço foram instalados. A piscina não teve manutenção na baixa temporada, mas com a chegada do verão foi esvaziada para conserto de trincas e quebras nos azulejos e já está cheia novamente, com aquisição de novos guarda-sóis e pintura do espaço ao redor. 

A proposta de parcerias com empresários não foi efetivada até o momento - apenas uma placa de divulgação rendeu retorno financeiro do empresariado. O pagamento do parquinho infantil, por exemplo, está sendo feito por meio de uma rifa. Apesar disso, o presidente diz contar com a ajuda de parceiros e conhecidos para reduzir alguns custos. Assim, o clube conseguiu terminar 2019 sem dívidas. 

O estacionamento ainda é um problema. David quer restringir ainda mais a entrada em 2020, limitando, por exemplo, aos associados que estejam adimplentes com as mensalidades. As exceções são os veículos de jogadores e pessoas que trabalham com o futebol. O Campeonato de Suíço permaneceu e a prestação de contas do mês em vigor é feita até o 5º dia útil do próximo mês, mas não fica disponível online, somente impressa no mural.

Em relação a assembleias de associados, a única feita em 2019 foi para prestação de contas, em fevereiro. Quanto ao desconto para sócio do clube social no Programa de Sócio Torcedor, David diz que até gostaria que fosse maior, mas que em negociação com o diretor do programa, precisaram chegar a um acordo. Hoje os sócios do social pagam de 10 a 15 reais a menos no sócio-torcedor, dependendo do plano. 

David também considera a regularização da documentação do Estádio Germano Krüger um marco importante da sua gestão. Cita ainda o apoio ao Grupo Gestor como ingrediente para conquistas que elevam o nome do Operário: o desempenho competitivo em 2019, as melhorias no espaço do estádio, os projetos de base, a construção do Centro de Treinamento, as reformas dos alojamentos e assim por diante.

Com o Grupo Gestor ‘independente’, a arrecadação e os gastos do futebol não se misturam com a arrecadação e gastos do clube social. Ou seja, as melhorias estruturais na área do estádio e do futebol saem dos bolsos do futebol, e as melhorias no social saem dos bolsos do social. 

É por conta disso que a ‘Carta dos 300’ não 'surtiu efeito' - o documento pedia que sócios-torcedores participassem da eleição do presidente do clube. David diz ter procurado outros clubes e entendido a solicitação, mas para que os sócios do futebol votassem, precisaria fazer com que todos os sócios do futebol fossem também do social, sendo tudo uma única administração e funcionamento.

Entretanto, o clube social que hoje possui 400 associados não comportaria os 9 mil do futebol. Vale ressaltar que o estatuto do social será revisado em 2020.

"Não é eu que estou satisfeito. Até quem era oposição agora está apoiando. Fizemos coisas que eu nem acreditava que faríamos porque  conseguimos dinheiro extra com a Corrida Fantasma Night Run, com o Show de Prêmios, com a placa de anúncio, enfim", afirma David. Para o próximo ano de gestão, o presidente ainda tem pendências na estrutura do bar e do salão de festas, que precisam ser reformados.

Também são metas melhorar as formas de arrecadação de recursos, criar um conselho consultivo, construir uma pista de caminhada, continuar projetos sociais com crianças de escolas e minorias, e estabelecer documentos contratuais com os serviços terceirizados, como o bar e a escola de futebol.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
PublicidadeNEC