Federação descarta finais do Campeonato Paranaense com ‘sede única’

Presidente afirma que mudança poderia gerar brecha jurídica a outros clubes

Federação descarta finais do Campeonato Paranaense com ‘sede única’

Equipes foram autorizadas para voltar aos treinos nesta semana - Foto: João Vitor Rezende

PublicidadeNEC

Aventada como uma possibilidade para a volta do Campeonato Paranaense após a pausa provocada pelo coronavírus, o mata-mata com ‘sede única’ está descartado. A Federação Paranaense de Futebol (FPF) preza para que o regulamento definido em arbitral seja cumprido integralmente.

Em abril, o presidente do Londrina, Felipe Prochet, sugeriu à FPF que a competição fosse concluída com partidas disputadas apenas em Curitiba, nos três estádios das equipes que seguem no certame: Arena da Baixada, Couto Pereira e Vila Capanema. Porém, a medida poderia infringir o artigo 23 do Regulamento Geral de Competições Profissionais da entidade, que prevê os mandos dos jogos em estádios no município de origem dos clubes.

“Já foi tentado e a Federação discordou, até por ferir o regulamento do campeonato. Isso pode dar brecha pra qualquer um entrar com uma ação e parar o campeonato, dizendo que a regra do jogo mudou, houve um arbitral, todo mundo assinou e portanto vamos manter a fórmula”, relata o presidente da FPF, Helio Cury. “Os jogos vão ser ida e volta. O Londrina tinha se posicionado a favor disso, mas outros clubes discordaram”, complementou.

LEIA MAIS
Operário testa atletas para Covid-19 para confirmar volta aos treinos
Saúde autoriza volta dos treinamentos presenciais dos clubes no Paraná

A mudança feita pela FIFA para o período de pandemia, para que os técnicos possam promover até cinco substituições em até três momentos por jogo, também não deverá ser incluída nesta fase final.

Segundo Helio, também não será possível fazer novas inscrições e que o prazo concedido no início da temporada, com novos registros limitados até a sétima rodada, será respeitado. Neste caso, o Operário não poderá inscrever o meia Thomaz e o Athletico não poderá utilizar o zagueiro Felipe Aguilar, reforços oficializados durante a pandemia, no Paranaense. Os contratos renovados pelas equipes de jogadores que já haviam atuado serão válidos até o fim do campeonato.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!