Sem conseguir fundos, UEPG chega ao 9º ano atrás de obras na Pista de Atletismo

Reitoria busca mediação de políticos da cidade para tentar obter o recurso

Sem conseguir fundos, UEPG chega ao 9º ano atrás de obras na Pista de Atletismo

Pista de Atletismo da UEPG já foi referência entre as pistas do estado do Paraná; hoje a situação é bem diferente - Foto: Raylane Martins

PublicidadeNEC

Nove anos se passaram desde que o revestimento da pista de atletismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) foi removido por conta do desnível e irregularidades que haviam surgirdo com o tempo. No concreto bruto, a pista deixou de sediar grandes eventos de atletismo e impediu que os atletas ponta-grossenses de alto nível pudessem treinar em condições similares às enfrentadas em competições oficiais.

De 2010 para cá, vários políticos da cidade chegaram a prometer reformas e repasse de recursos para a pista, mas até hoje nada foi feito. Em 2012, tanto o Secretário Estadual de Esportes, Evandro Roman, quanto o deputado federal na época, Sandro Alex, haviam anunciado verbas para a obra.

Atualmente, Sandro Alex é secretário de Estado da Infraestrutura e Logística no governo de Ratinho Junior, e afirma que vai voltar a buscar recursos para a obra na pista de Ponta Grossa.

“Tenho interesse em ajudar. No passado eu destinei o recurso, mas a Universidade entendeu que a construção do bloco de Zootecnia seria um dinheiro melhor aplicado e não foi feita a pista. Nas próximas semanas, o professor Aldo vai assumir a secretaria que cuida da pasta e vamos voltar a discutir este assunto”, justifica.

A ideia de construir uma pista de alto rendimento, que custaria cerca de 3 milhões de reais, foi reavaliada pela UEPG há aproximadamente cinco anos. Como tentativa de acelerar o processo para garantir uma manutenção barata e uma pista acessível para todos, o projeto voltou a ser de uma pista comum. Hoje, o orçamento varia de 800 mil a 1 milhão de reais.

“Fizemos um outro projeto com uma pista mais barata. Hoje a nossa perspectiva é de uma pista muito mais em conta, uma reforma mesmo da que temos hoje. É uma revitalização do espaço. A nova reitoria entrou já sabendo dessa proposta. Estão há quatro meses na função e já conversamos isso duas vezes com o reitor”, conta o chefe da Coordenadoria de Desportos e Recreação da UEPG, Carlos Zaremba.

“Tem muito apelo político nessa história. O que cabe à Universidade estamos fazendo, que é essa parte política. Não temos como arrecadar esse dinheiro com a própria Universidade. Os projetos estão prontos, as engenharias estão prontas e a gente vive refém de investimento. Aí entregamos o projeto, que é o que eles precisam. Temos até uma planilha de custos”, frisa Zaremba.

A pista de atletismo atualmente recebe poucos eventos e apenas competições não-oficiais, mas a comunidade costuma frequentar o espaço nos fins de tarde mesmo nestas condições, segundo Zaremba. Entre as raias, a grama cresce, buracos e rachaduras aumentam e a segurança preocupa os usuários.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
PublicidadeNEC