Projeto e-games da UEPG pode participar da Lei de Incentivo ao Esporte

A proposta foi habilitada no programa, mas ainda vai passar pela avaliação

Projeto e-games da UEPG pode participar da Lei de Incentivo ao Esporte

Os projetos são desenvolvidos como prática educacional ou atividades de lazer - Foto : Arquivo Pessoal

PublicidadeNEC

O projeto intitulado Player On: Circuito Ponta-grossense para Formação de Jogadores de Esports em Cenário Competitivo, desenvolvido pelos professores de Educação Física da Universidade Estadual de Ponta Grossa, Miguel Archanjo de Freitas Junior e Edilson de Oliveira, está participando do Programa Estadual de Fomento e Incentivo ao Esporte (PROESPORTE).  

A proposta foi habilitada no programa recentemente, mas ainda não passou por avaliação. “Ele vai para a fase de avaliação agora que é na análise do mérito e a partir dessa avaliação se o projeto for aprovado ou avaliado acima de 7 ai nós podemos correr atrás dos recursos  que o edital prevê para que a gente consiga desenvolver o projeto ao longo dos próximos dois anos.” 

Segundo Edilson, se o projeto for contemplado com a Lei do Incentivo, os recursos seriam de grande importância para o desenvolvimento das competições, entretanto se não houver a aprovação, a ideia é continuar mesmo assim com o projeto.  

“A ideia ao longo do projeto é pensar na realização desse circuito, e como através deles criar assessoria, minicursos, material didático pra que a gente consiga alavancar os jogos eletrônicos na região, pensando essas diferentes manifestações seja pra quem quer ser um jogador competitivo ou alguém que quer jogar apenas melhor na dinâmica do lazer ou quem quer aproveitar o potencial educacional para pensar realmente em elementos da educação”. 

Edilson juntamente com o professor Miguel, têm desenvolvido vários projetos votados a prática de jogos eletrônicos a partir do ponto de vista educacional e da prática de lazer. Um deles acontecer na Feira Paraná, onde apresentaram um stand de realidade virtual.  “Nós tivemos inúmeras participações, talvez foi o stand da UEPG que teve mais visitas, a partir daí nós começamos a ter um pouco mais de visibilidade ao pensar na possibilidade disso como projeto”, explica. 

Outra ação é o projeto UEPG nos Bairros. “Lá estamos possibilitando uma experiência com jogos em realidade virtual e jogos com movimento. Foi um stand para apresentar a tecnologia ao pessoal, principalmente realidade virtual. O foco são sempre as crianças, mas também idosos, que devido a idade, acham a experiência algo fora de suas realidades”, complementa.  

Compartilhe essa notícia com seus amigos!