Aeroporto de Atlanta Angel não respondeu

Com uma lesão no ligamento cruzado anterior e um joelho precisando de substituição, Cindy Dutko enfrentou uma longa e desafiadora jornada pelo aeroporto de Atlanta a caminho de casa, na Flórida, há um mês. Depois de visitar seu filho Jamie e sua família, ela deixou Baton Rouge, Louisiana. Ele chegou ao Terminal C do Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson Atlanta, mais movimentado do mundo, e teve que ir ao Terminal F para seu próximo voo. Mas os trens não estavam funcionando.

Então, ela começou a andar.

“Ela realmente caiu naquele dia”, disse Jamie. “Ela estava chorando com a dor no joelho. Quando eu a levei para o aeroporto, percebi que ela estava doendo.”

“Eu tinha um sári grande e pesado que me pesava”, disse ela. “Estava cheio e pesado, muito pesado.”

Michael Wright, de Lafayette, Louisiana, viu Cindy mancando. Quando ele inicialmente se oferece para ajudá-la, Cindy recusa, dizendo: “Oh, não, não, estou bem.”

Mas Michael não aceitou um não como resposta. “Vamos” ele disse pegando a calcinha dela e vestindo-a.

“No começo eu pensei, bem, e se esse cara roubar minha bolsa, ele vai embora? Estou arrasada, não posso segui-lo”, disse Cindy.

“Em segundos, percebi que ele era muito bom”, disse Cindy. “Ele era um cara legal. Ele estava me ajudando.”

Michael disse: “Nós caminhamos e aproveitamos a brisa.”

Por quase uma hora, Michael Wright carregou a mala pesada de Cindy Dutko e caminhou por quatro terminais de aeroporto.

Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta


Durante 55 minutos, Michael pegou a bolsa de Cindy e caminhou com ela pelos terminais C, D e E até F.

“Antes mesmo de chegarmos ao portão, ele agarra minha mão, olha para mim e diz: 'Você é minha mãe'”, lembrou Cindy. “E eu pensei, 'Ok?' Chegamos no portão e ele disse para as pessoas que estavam no portão: 'Essa é minha mãe, ela tem alguns problemas no joelho, tem como ela entrar no avião antes de todo mundo? Porque ela anda muito devagar. O cara estava tipo, 'Claro, sem problemas.'”

Michael disse: “Sua mãe ficaria orgulhosa de você”, Cindy respondeu com um abraço e um pequeno beijo na bochecha.

“Isso era tudo que eu precisava, cara”, disse ele.

Cindy mandou uma mensagem para o filho contando tudo sobre aquele “mocinho Michael” de Lafayette. Jamie imediatamente recorreu às redes sociais, pedindo ajuda para encontrá-lo.

Demorou mais de um dia para encontrá-lo.

Jamie disse: “O noivo dele me mandou uma mensagem no Twitter. Ele disse: ‘Ei, acho que meu Michael é o Michael que você está procurando’. Eu disse: 'Ah, é mesmo? Por que você acha isso? E então ela disse: 'Sua mãe, ela fez uma cirurgia no joelho ou vai fazer uma cirurgia no joelho?' Estrondo! É isso!”

Michael disse: “É triste que nossa sociedade tenha desmoronado a ponto de eu estar na TV, Jamie estar na TV, você estar aqui e – estamos lisonjeados, mas não estou fazendo nada”.

Ele descreveu suas ações naquele dia como “ser um homem”.

Jamie Dutko e Michael Wright.

Notícias da CBS


Michael não sabia, mas a mulher que ele ajudava era assistente. Cindy trabalha como intérprete de língua de sinais para a comunidade surda. “Meus pais são surdos, então a linguagem de sinais foi minha primeira língua”, disse ela. “Eu saio com pessoas surdas.”

A linguagem da bondade é universal e é o jeito da Louisiana.

“Posso não ter nascido aqui”, disse Jamie, “mas este é o meu lar. Louisiana é o meu lar. .”

Cindy Dutko.

Notícias da CBS


A história é sobre um pequeno ato de ir acidentalmente a um lugar para uma pessoa e tornar tudo mais fácil para ela. “Se as pessoas conseguem entender isso, vale tudo”, disse Michael.

READ  Joe Biden e Kevin McCarthy mantêm negociações 'produtivas' sobre o teto da dívida, mas acordo ainda é indefinido

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *