Arqueólogo elogia múmia ‘mais antiga’ já encontrada no Egito

CAIRO, 26 Jan (Reuters) – Egiptólogos descobriram uma tumba faraônica perto da capital Cairo que pode ser a múmia mais antiga e “mais completa” já descoberta no país, disse o chefe de uma equipe de escavação nesta quinta-feira.

A múmia de 4.300 anos foi encontrada sob um poço de 15 metros em um grupo recentemente descoberto de túmulos da Quinta e da Sexta Dinastia perto da Pirâmide de Degraus em Saqqara, disse o diretor do grupo, Zahi Hawass, a repórteres.

A múmia do homem Hegasheps estava em um sarcófago de calcário envolto em argamassa.

“Esta múmia pode ser a múmia mais antiga e completa encontrada no Egito até hoje”, disse Hawass, um dos ex-ministros de antiguidades do Egito, em um comunicado.

Outras tumbas descobertas pertencem a Kunumtjedeb, inspetor de funcionários, superintendente de nobres e sacerdote durante o reinado de Unas, o último faraó da Quinta Dinastia. Foi decorado com cenas da vida cotidiana.

Outro túmulo pertence a Maria, “Guardiã dos Segredos e Assistente do Grande Chefe do Palácio”.

Numerosas estátuas foram encontradas entre os túmulos, incluindo estátuas representando um homem e sua esposa e vários servos.

Reportagem de Patrick Ver; Edição por Nick MacPhee

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

READ  Carl Radke nega que Lindsay Hubbard afirme que eles foram 'pego de surpresa' pela separação

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *