Gersinho flerta com esquema de '2018', mas depende de ajustes criativos

Gersinho flerta com esquema de '2018', mas depende de ajustes criativos

PublicidadeNEC

Descontente com o rendimento do meio de campo nas partidas preparatórias para o Estadual, o técnico Gerson Gusmão fez mudanças drásticas no setor. Jardel ganhou um parceiro na marcação: Regis Potiguar. Cleyton começou como principal responsável pela armação de jogadas.

Com essa proposta, Gersinho se reaproximou da formação tática que levou o Fantasma ao título da Série C em 2018. Com um diferencial ofensivo, naquele ano o meia Robinho atuava por uma das pontas. No embate com o Cascavel CR, Douglas Coutinho - atacante de origem - era uma das opções pelos lados.

Como era de se esperar, o Operário ditou o ritmo no primeiro tempo com a troca de passes. A inversão de jogo esteve presente, - algo que no ano passado a equipe tinha dificuldades de apresentar. Por outro lado, os minutos iniciais não mostraram por parte do time alvinegro aquele passe que coloca um atacante em boas condições de finalizar.

Por sinal, finalizações estiveram em falta. Os principais 'sustos' até os 25 minutos vieram na bola parada. Faltavam opções que se aproximassem do 'armador' pelo meio e participassem da criação.

Pelo lado esquerdo, Danilo conseguiu dar essa alternativa e formou uma importante trinca com Cleyton e Lucas Batatinha, mas, quando as chances apareceram, a demora nas finalizações incomodou. Uma das poucas defesas de Fernando, do Cascavel CR, veio nos instantes finais da primeira etapa. A origem do lance de Douglas Coutinho foi a bola longa do goleiro André Luiz, o que não pode ser a única opção de criatividade.

Em compensação, o adversário mostrou problemas físicos no final do primeiro tempo. O excesso de cartões recebidos e as substituições forçadas atestaram esse panorama.

O Operário se aproveitou, abriu o placar com Schumacher no começo do segundo tempo e ainda teve Tomás Bastos em campo para preencher o vazio ao lado de Cleyton.

Faltou ao Fantasma ser mais incisivo, mas também faltava perna e entrosamento. Normal e esperado para a primeira partida oficial da temporada.

Gersinho buscou dar consistência ao meio de campo e a equipe respondeu valorizando a posse; no entanto, abriu brechas perigosas e elevou os erros na saída de jogo. Jardel tinha uma sobrecarga. Foi o momento que o treinador encontrou para promover a estreia do volante Fábio.

O resultado final foi o esperado pelo comandante do Fantasma, que almejava a vitória a qualquer custo. Mas daqui para frente ele terá o desafio de encontrar um equilíbrio entre criar com eficiência e reduzir vulnerabilidades.

* Foto: João Vitor Rezende

Compartilhe essa notícia com seus amigos!
Felipe Gustavo

Felipe Gustavo

Jornalista formado pela UEPG em 2012, foi repórter de Esportes do Jornal da Manhã e setorista do Operário pelas rádios CBN e Difusora. Trabalhou no projeto Futsal Daqui, além de ter sido jornalista na Rádio MZ FM. Trabalha na produção de conteúdo da Rede Massa. É editor e comentarista no Net Esporte Clube.

PublicidadeNEC