Equipe da ONU encontra “zona de morte” no hospital al-Shifa de Gaza: NPR

Corpos de palestinos mortos em um ataque aéreo israelense são vistos em um caminhão no hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza, domingo, 5 de novembro de 2023.

Abed Khaled/AP


Ocultar título

Alterar o título

Abed Khaled/AP

Corpos de palestinos mortos em um ataque aéreo israelense são vistos em um caminhão no hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza, domingo, 5 de novembro de 2023.

Abed Khaled/AP

TEL AVIV, Israel – Resíduos médicos e sólidos se acumulam nos corredores lotados do maior hospital de Gaza, segundo a Organização Mundial da Saúde. Pelo menos 80 corpos jazem numa vala comum na entrada do hospital.

Uma equipa conjunta de avaliação humanitária das Nações Unidas liderada pela OMS obteve acesso externo ao Hospital Al-Shifa no sábado e viu em primeira mão as terríveis condições nas instalações, disseram os grupos. A equipe só pôde visitar o hospital por uma hora.

Na altura, segundo a OMS, constataram que vários pacientes tinham morrido nos dois a três dias anteriores devido à suspensão dos serviços médicos no estabelecimento. Agora existem apenas 25 profissionais de saúde para os restantes 291 pacientes, incluindo 32 bebés prematuros que estão em “estado crítico”.

O hospital relatou uma queda de energia no início desta semana, depois que ficou sem combustível para acionar os geradores, causando a morte de alguns pacientes.

UN A delegação descreveu um hospital de referência anteriormente avançado e bem equipado em Gaza como agora uma “zona de morte”.

OMS está a trabalhar para garantir a passagem segura dos restantes pacientes

Palestinos fogem para o sul da Faixa de Gaza pela rua Salah al-Din, nos arredores da Cidade de Gaza, em frente a uma escavadeira do exército israelense, no sábado, 18 de novembro de 2023.

Adele Hana/AP

Al-Shifa tornou-se um ponto focal das operações militares israelenses nos últimos dias. Uma equipa da ONU está a trabalhar para evacuar com segurança os restantes pacientes do hospital, à medida que os militares intensificam as operações em Gaza.

“Nas próximas 24 a 72 horas, enquanto se aguarda garantias de passagem segura por parte das partes no conflito, estão a ser organizadas operações adicionais para transportar urgentemente pacientes de Al-Shifa para o Complexo Médico Nasser, no sul de Gaza, e para o Hospital Europeu de Gaza”, disse o comunicado. Quem disse. disse em um comunicado. “No entanto, estes hospitais já estão a operar além da capacidade, e as novas recomendações do Hospital Al-Shifa irão sobrecarregar ainda mais o pessoal e os recursos de saúde sobrecarregados”.

Os militares israelitas disseram aos palestinianos em Gaza para saírem mais para sul através do chamado Corredor Seguro. As evidências mostram ataques aéreos israelenses diários e fogo de artilharia em áreas que Israel diz serem “seguras” para civis. Esses ataques atingiram escolas, torres residenciais e lotaram a sede da ONU.

As IDF disseram que o Hamas transformou os túneis sob o hospital em um centro de comando e usou pacientes e funcionários para fornecer cobertura aos seus combatentes. Na quarta-feira, Israel divulgou um vídeo de armas num túnel, mas ainda não revelou provas de que se trata de um centro de comando sofisticado. O Hamas negou usar al-Shifa como centro de comando.

READ  [Video] Confira todos os recursos do Galaxy AI no Galaxy S24 Ultra

No início do sábado, as FDI emitiram ordens de evacuação para as 2.500 pessoas restantes que se refugiaram nas dependências do hospital de al-Shifa. Os civis, juntamente com alguns pacientes e funcionários do hospital, foram evacuados pelos militares quando a equipa da ONU chegou para a visita, disse a OMS.

Como parte dos ataques de 7 de Outubro perpetrados pelo Hamas em Israel, quase 240 pessoas foram raptadas. Ainda estão em curso negociações para um possível cessar-fogo que permitiria às pessoas em Gaza ir para um local seguro e entregar reféns a Israel.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse no sábado que “não há acordo sobre a mesa e não posso ir além disso”.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Adrian Watson, negou uma reportagem do Washington Post de que um acordo havia sido alcançado entre os Estados Unidos, Israel e o Hamas.

Watson disse: “Ainda não chegamos a um acordo, mas continuamos a trabalhar duro para chegar a um acordo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *