Hacking na Rússia: ‘FSP está envolvido em ataques cibernéticos no Reino Unido há anos’, diz o governo

  • Por Gordon Correra
  • Correspondente de segurança da BBC

legenda da imagem,

O FSB foi acusado de realizar ataques cibernéticos pelo governo do Reino Unido ao longo dos anos

O Reino Unido acusa o serviço de segurança da Rússia, o FSB, de uma campanha de hackers cibernéticos visando políticos e outras pessoas da vida pública.

O governo alegou que um grupo roubou dados através de ataques cibernéticos, que posteriormente foram tornados públicos, incluindo material relacionado com as eleições de 2019.

A Rússia negou repetidamente envolvimento em tais atividades.

O secretário de Relações Exteriores, David Cameron, disse que as ações do grupo eram “totalmente inaceitáveis”.

“Apesar das suas repetidas tentativas, falharam. Continuaremos a trabalhar com os nossos aliados para expor as atividades cibernéticas secretas da Rússia e responsabilizar a Rússia pelas suas ações”, disse o ex-primeiro-ministro.

O ministro das Relações Exteriores, Leo Docherty, disse à Câmara dos Comuns na quinta-feira que o embaixador da Rússia foi convocado e dois indivíduos estavam sendo admitidos. Um deles é oficial do FSB.

O embaixador russo não estava disponível depois de ter sido convocado na quarta-feira, mas as autoridades reuniram-se com o vice-chefe da embaixada russa para expressar a profunda preocupação do Reino Unido com os ataques cibernéticos.

O grupo foi acusado de realizar centenas de hacks altamente direcionados contra políticos, funcionários públicos, grupos de reflexão, jornalistas, académicos e pessoas da vida pública. Estes visavam principalmente e-mails privados de indivíduos e criavam contas falsas que se faziam passar por contactos de confiança, após extensas pesquisas.

Um deputado entre os visados ​​disse à BBC em fevereiro que os seus e-mails tinham sido pirateados.

O Serviço Federal de Segurança (FSB) foi a agência sucessora da KGB, que operou durante a Guerra Fria.

O presidente russo, Vladimir Putin, foi diretor do FSB na década de 1990.

Acredita-se que o grupo ligado ao FSB – especificamente a sua unidade conhecida como Centro 18 – tem como alvo o Reino Unido, roubando informações de pessoas na vida política e pública desde pelo menos 2015.

Diz-se que o grupo está ativo.

Espera-se também que os EUA tomem medidas contra o grupo.

“A Rússia tem como alvo o processo democrático do Reino Unido”, disseram autoridades ocidentais.

No entanto, a campanha foi considerada sem sucesso em interferir no processo democrático.

A alegação pública de quinta-feira visa perturbar o trabalho do grupo e aumentar a sensibilização antes das eleições importantes em todo o mundo no próximo ano.

“Este grupo obteve uma grande quantidade de dados”, disseram autoridades ocidentais. “Esta informação é usada para minar o Ocidente de várias maneiras”.

O Reino Unido já acusou a Rússia de interferir nas eleições de 2019, depois de roubar documentos sobre o comércio EUA-Reino Unido do deputado conservador Liam Fox.

Mas quando a alegação foi feita em 2020, o grupo específico por detrás do ataque não foi identificado e foi agora ligado a operações mais amplas do mesmo grupo afiliado ao FSB.

Os alvos da organização vêm de todo o espectro político.

O parlamentar do SNP, Stewart McDonald, disse à BBC em fevereiro deste ano que um grupo que se acredita estar ligado à inteligência russa roubou seus e-mails se passando por um de seus funcionários. Ele veio a público para evitar preventivamente qualquer vazamento de e-mails. Eles não apareceram.

Falando na Câmara dos Comuns na quinta-feira, o porta-voz das relações exteriores do SNP, Brendan O’Hara, disse que as ações da Rússia faziam parte de um “padrão contínuo de comportamento” e perguntou se o governo estava “considerando tornar o treinamento em segurança cibernética obrigatório para todos”. Deputados e seus funcionários.”

David Lammy, do Partido Trabalhista, disse que a democracia foi “construída na confiança” e perguntou se o governo estava “confiante” de que toda a extensão do ataque havia sido descoberta.

Acredita-se que o grupo afiliado ao FSB esteja focado em hackear e ampliar seu impacto com outros envolvidos na disseminação de dados através de diferentes canais.

legenda da imagem,

A Rússia negou anteriormente acusações de interferência

Outros alvos incluem o Statecraft Institute e o seu fundador Chris Donnelly, cujos dados foram divulgados online, e Sir Richard Dearlove, antigo chefe do MI6.

Autoridades ocidentais disseram que o grupo se envolveu na “aquisição de inteligência” hackeando contas de e-mail e roubando dados. Em alguns casos, repassou as informações a terceiros para divulgação.

A acusação do Reino Unido visa desestabilizar novas iniciativas dos EUA, expondo as actividades do grupo FSB.

Acredita-se que o FSB Center 16 seja o responsável e foram necessários meses para que os EUA e o Reino Unido estabelecessem maior confiança na coordenação dos anúncios públicos da operação.

Qualquer pessoa conhecida por ter sido hackeada foi notificada.

As autoridades querem aumentar a consciencialização sobre os riscos à medida que o Reino Unido se aproxima das eleições do próximo ano. As eleições nos EUA em novembro próximo também poderão ser alvo de hackers.

Em 2016, uma parte diferente da inteligência russa foi acusada de hackear e-mails públicos pertencentes à campanha de Hillary Clinton, uma medida considerada significativa numa disputa acirrada.

O grupo de hackers é conhecido por vários nomes, incluindo Star Blizzard, Cold River e Seaborgium.

Acredita-se que uma grande quantidade de dados tenha sido roubada pelo FSB nos últimos anos e apenas uma fração deles foi tornada pública.

Questionados se poderiam divulgar mais dados que recolheram, os responsáveis ​​ocidentais responderam: “Não há provas dessa intenção. É possível. Recolheram muita informação”.

READ  Passagem de fronteira de Rafah é aberta para permitir a entrada de apenas 20 caminhões de ajuda em Gaza Conflito Israel-Palestina Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *