Nagorno-Karabakh: A Arménia afirma que 100.000 refugiados estão a deixar a região.

fonte da imagem, AFP via Getty Images

legenda da imagem,

A maioria dos armênios étnicos já deixou Nagorno-Karabakh

A Arménia afirma que mais de 100 mil pessoas fugiram da região de Nagorno-Karabakh.

Quase toda a população étnica arménia fugiu desde que o Azerbaijão tomou a região na semana passada.

O Azerbaijão disse que quer reunificar a região e tratar os seus residentes de forma igual, mas um porta-voz arménio disse que isso era uma “mentira”.

Nagorno-Karabakh – reconhecido como parte do Azerbaijão – está sob controle dos armênios há três décadas.

A região montanhosa do Sul do Cáucaso é apoiada pela Arménia – mas também pela sua aliada, a Rússia.

Pelo menos 200 armênios étnicos e dezenas de soldados do Azerbaijão foram mortos na incursão do exército do Azerbaijão. Como parte do acordo de cessar-fogo, os separatistas concordaram em entregar as suas armas.

A autoproclamada república de Nagorno-Karabakh disse que deixaria de existir no ano novo.

Nazeli Baghdasaryan, porta-voz do primeiro-ministro da Arménia, disse que o número de refugiados que entraram no país na semana passada atingiu 100.417, numa população estimada de 120.000 habitantes de Nagorno-Karabakh.

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) disse que outras 100 mil pessoas fugiram, afirmando que muitos dos refugiados estavam “famintos, exaustos e necessitados de assistência imediata”.

Artak Beklerian, um ex-oficial separatista na Armênia, disse que os “últimos grupos” de residentes de Nagorno-Karabakh estavam a caminho da Armênia no sábado.

“Restam no máximo algumas centenas de pessoas, a maioria delas oficiais, trabalhadores de serviços de emergência, voluntários, alguns com necessidades especiais”, escreveu ele nas redes sociais.

Em meio a centenas de armênios que fugiam de Nagorno-Karabakh, o Ministério da Defesa do Azerbaijão disse que seus soldados e suas forças realizaram “ações retaliatórias” em Kalbazar, matando um atirador do exército armênio.

A Arménia negou imediatamente a acusação.

Kalpajar fica no noroeste da região, na fronteira com a Armênia. As forças do Azerbaijão retomaram a área em novembro de 2020.

Pelo menos 170 pessoas morreram numa grande explosão num depósito de combustível em Nagorno-Karabakh na segunda-feira, além dos mortos durante uma operação militar do Azerbaijão na semana passada.

Ainda não está claro o que causou a explosão perto da principal cidade de Kankendi, conhecida pelos armênios como Stepanakert.

A ONU afirma que enviará uma delegação a Nagorno-Karabakh no final desta semana para avaliar a situação humanitária, depois de o Azerbaijão ter afirmado que permitiria tal visita.

O embaixador da Arménia, Edman Marugyan, criticou o momento da visita, mas insistiu que era importante que os responsáveis ​​da ONU vissem por si próprios quais seriam os arménios étnicos.

“É bom que estejam lá, tornar-se-ão testemunhas do facto de que estas pessoas foram etnicamente limpas da sua terra natal ancestral, das casas onde viveram os seus pais, os seus antepassados”, disse à BBC. .

Mas ele rejeitou as garantias do Azerbaijão como “uma mentira”.

“Esta é uma campanha completa, outra campanha falsa do Azerbaijão. Ninguém vai ficar em Nagorno-Karabakh”, disse ele.

READ  Playoffs da NBA: Luka Doncic e Mavericks se recuperam na vitória dominante sobre o Thunder e assumem a liderança por 3-2

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *