Operário já planeja 2020 e Gersinho indica vontade de continuar no clube

Diretoria quer ampliar o estádio; renovação com técnico ainda não foi discutida

Operário já planeja 2020 e Gersinho indica vontade de continuar no clube

Presidente do Grupo Gestor, Álvaro Góes, destacou investimentos em estrutura e quer permanência do treinador - Foto: João Vitor Rezende

PublicidadeNEC

Com dois meses para o início da próxima temporada, o Operário Ferroviário já iniciou o planejamento para 2020. Mesmo sem ainda ter definido a competição que disputará no ano seguinte, a diretoria alvinegra já avalia a composição de elenco e orçamento, contando com mais obras em estrutura.

A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) ainda aponta 9% de chance de acesso à Série A para o clube. Por isso, o presidente do Grupo Gestor, Álvaro Góes, ainda trata permanências e saídas de atletas com cautela. “Nós não podemos falar mais sobre isso nesse momento, pois estamos com o campeonato em andamento. Vamos esperar a competição terminar, até para dar segurança ao nosso elenco”, afirma.

O técnico Gerson Gusmão diz que a permanência ainda não foi negociada, mas vê o início do planejamento para 2020 como algo natural e tem o intuito de continuar no cargo. “Trabalho da melhor maneira possível pelo clube, é uma situação que ainda vamos conversar mais pra frente. Tenho vontade de dar continuidade no trabalho, é importante, mas esse passo vai ser dado em um outro momento. Claro que o clube tem que pensar no planejamento para o próximo ano, pois temos apenas dois meses para se organizar pro próximo ano. Temos tempo para isso e as atenções estão nessas sete rodadas, no jogo contra o Atlético-GO”, detalha o treinador.

Por parte da diretoria, o técnico tem a permanência garantida: "Com toda certeza ele ficará conosco, a não ser que ele não queira", crava o presidente. "Tivemos uma campanha regular até agora. Eu queria uma campanha um pouco melhor, mas as duas partidas que perdemos em casa contra Brasil de Pelotas e Paraná nos fizeram perder a chance de estar em uma posição melhor. Temos mais dois jogos seguidos em casa e temos que conquistar a vitória nesses dois jogos", analisa Góes.

Sobre a questão financeira, Goes projeta incremento pelo programa de sócio-torcedor e deseja reativar conversas com possíveis patrocinadores: “Acho que podemos melhorar algo via sócio-torcedor. Também temos conversas com algumas empresas que ficarem pendentes nesse ano e vamos negociar, isso depende um pouco também da posição em que terminaremos o campeonato”.

Para o gestor alvinegro, a camisa ‘cheia’ não é um problema para atrair novos investidores. “Não vejo assim. Nesse caso, o que pode ser feito é trocar, remanejar espaços. Infelizmente não podemos trabalhar dessa forma e depender de um patrocinador na camisa, assim não arrecadamos dinheiro. Entendo quando o torcedor diz que a camisa pode ficar feia, com muitas marcas, mas é assim que estamos vivendo e que estamos alcançando nossos objetivos”, comenta.

Os altos investimentos em estrutura, como os feitos na adequação do estádio para a Série B e do centro de treinamento, devem continuar para o próximo ano. Porém, em 2020, a meta é outra: aumentar a capacidade do Germano Krüger. “Estamos gastando dinheiro com o centro de treinamento, com os vestiários, campos. Cada campo custa, em média R$ 300 mil, disso eu tiro algum jogador que poderia vir e fazer a diferença. Não temos como parar de investir em estrutura, temos o CT e uma prioridade em aumentar a capacidade do estádio”, explica Alvaro.

Segundo o presidente, em um primeiro momento, a medida será de aumentar degraus na arquibancada. Posteriormente, a diretoria ainda planeja iniciar o tobogã no gol de entrada neste ano. O centro de treinamento só será utilizado na pré-temporada para o Campeonato Paranaense.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!