Operário quer criar aplicativo para serviços do sócio-torcedor online

Projeto de informatização existe; Diretor espera ter aplicativo em 90 dias

Operário quer criar aplicativo para serviços do sócio-torcedor online

Loja do Fantasma, anexa ao Germano Krüger, está fechada temporariamente - Foto: João Vitor Rezende

PublicidadeNEC

Novas associações e renovações dos planos de sócio-torcedor do Operário Ferroviário poderão ser feitas online em alguns meses. Segundo o diretor do Programa Sócio Fantasma da Vila, Joélcio de Miranda, o clube tem o projeto de um aplicativo para loja e sócios que deve estar pronto em cerca de 90 dias.  

Com a pandemia de COVID-19, o novo coronavírus, o Operário suspendeu todas as atividades ligadas ao clube - tanto na parte do futebol quanto no social. A Loja do Fantasma, onde são vendidas camisas e produtos, feitas e renovadas as associações de torcedores, também está de portas fechadas para evitar aglomeração e contato próximo entre as pessoas.

Com a proximidade do mês de abril, a tendência é que muitos contratos de sócios-torcedores estejam se encerrando. Isso porque, há um ano, em 20 de março de 2019, o Operário jogava contra o Athletico Paranaense seu antepenúltimo jogo do Estadual daquele ano. Em 26 de abril, o time estreou em sua primeira Série B depois de 28 anos, o que atraiu centenas de sócios. Se os contratos chegam ao fim, com a loja fechada, o torcedor não consegue fazer a renovação e o clube perde valores mensais. A plataforma online seria a solução.

"Nós estamos desenvolvendo um aplicativo que deve ser colocado em atividade em 90 dias. Os sócios poderão consultar sua situação perante o programa de sócio-torcedor, bem como efetuar pagamentos, renovações e até mesmo se associar", projeta Joélcio de Miranda, o Ferpa. 

O diretor explica por que a loja ainda não conseguiu implantar o e-commerce: "Ao longo desses dois anos fizemos um trabalho de primeiro colocar produtos para vender fisicamente. Depois que começamos a ter produtos, nós tínhamos outra deficiência que era o espaço físico. Para que você possa vender através de uma loja virtual você precisa antes de estrutura, espaço, funcionários, e ainda somos carentes disso. A loja foi aumentada com recursos da própria loja, pois o Grupo Gestor não tem verba para isso. Para desenvolver um site que contemple não só a venda de produtos como também outros serviços teríamos um custo de aproximadamente 10 mil reais, por isso nesse momento estamos desenvolvendo um aplicativo - que deverá ser lançado em breve e que não ficará restrito somente ao sócio-torcedor. A dificuldade sempre foi financeira", diz. 

Como neste momento não há site ou aplicativo ativo, para colocar mensalidades atrasadas em dia, efetuar renovações ou novas associações, o torcedor precisará esperar que a pandemia do coronavírus seja amenizada na nossa região e a Loja do Fantasma reabra. O ideal é evitar atrasos quando os contratos estão em vigor, para que quando o calendário retornar, não sejam criadas filas e tumulto no espaço físico.  

"Embora não tenhamos jogos por um período que não sabemos ainda quanto tempo vai durar, é fundamental que os sócios continuem pagando suas mensalidades, pois o clube continua com as suas despesas. Precisamos de receita para suportar isso", reforça Joélcio de Miranda.

O Campeonato Paranaense e as competições da CBF estão suspensas por tempo indeterminado por causa da COVID-19.

 

Compartilhe essa notícia com seus amigos!