Os sobreviventes do ciclone Freddie em Moçambique, Malawi, estão em choque com o número de mortos superior a 400.

BLANTIRE, 16 de março (Reuters) – A última coisa de que Lukia Akimu se lembra são as enchentes que atingiram seu vilarejo perto do Monte Choch quando o ciclone tropical Freddie atingiu o sul do Malawi esta semana.

A próxima coisa que ela sabe é que ela acordou no hospital, com bandagens na cabeça e uma cinta em volta do pescoço.

“Vi muita água e algumas pessoas sendo lavadas. Não sei o que aconteceu depois disso. Não sei quem me trouxe aqui”, disse a mulher de 35 anos de sua cama no Hospital Queen Elizabeth. Plantaire.

Uma enfermeira disse à Reuters que não se sabe se algum de seus familiares sobreviveu.

O ciclone tropical Freddy matou mais de 400 pessoas no Malawi, Moçambique e Madagascar desde que atingiu a África no final de fevereiro e voltou para atingir a região pela segunda vez no fim de semana.

A tempestade já se dissipou, mas as fortes chuvas devem continuar em partes do Malawi, com mais inundações nas áreas à beira do lago, disse o Ministério de Recursos Naturais e Mudanças Climáticas em um comunicado.

Em Moçambique, algumas aldeias foram completamente isoladas desde que o ciclone atingiu a segunda costa no sábado.

“Mobilizámos barcos e outros meios para procurar e resgatar pessoas. Muitas comunidades estão retidas”, disse Paulo Tomás, porta-voz da agência de ajuda humanitária de Moçambique.

“Depois desse período, eles passam fome e precisam de alimentação adequada e atenção médica”.

Pelo menos 53 pessoas morreram em Moçambique e 326 no Malawi desde o fim de semana, segundo dados do governo. A tempestade já havia matado cerca de 27 pessoas em Madagascar e Moçambique ao atingir Moçambique pela segunda vez.

READ  UNC-Chapel Hill: Um membro do corpo docente foi morto em um tiroteio no campus, e a escola diz que um suspeito está sob custódia.

O presidente do Malawi, Lazarus Zakwera, visitou o Hospital Queen Elizabeth na quinta-feira para orar com as vítimas das enchentes. A tempestade deixou pelo menos 700 feridos no Malawi na última contagem.

Como a chuva continuou, alguns tiveram que enterrar os mortos.

No vilarejo de Mtauchira, no sul, fossas funerárias recém-cavadas enchiam-se como lagoas com homens retirando água com baldes para jogar em urnas.

Enquanto a eletricidade foi restaurada no Malawi na quinta-feira, muitos lugares afetados pela tempestade ainda não tinham água, incluindo a segunda maior cidade, Blantyre.

Alguns residentes de Blantyre disseram que gostariam de ter ouvido os avisos para evacuar antes que o ciclone chegasse, mas não entendiam a gravidade da situação e agora não tinham para onde ir.

“Antes desta tempestade, era muito difícil para as pessoas entenderem o que estava acontecendo. O governo enviou mensagens, mas nada aconteceu”, disse Locasiano Misoya, morador de Blantyre. “Tenho sorte de estar vivo.”

Freddie é um dos ciclones tropicais mais duradouros já registrados e um dos mais mortíferos a atingir a África nos últimos anos.

reportagem de Tom Gibb e Frank Phiri em Blantyre e Manuel Mucari em Maputo; Reportagem adicional de Carrion du Plessis em Joanesburgo; Por Nellie Peyton e Anite Mridjanian; Edição por Alexander Winning, Bradley Perrett, Sharon Singleton e Andrew Heavens

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *