Protestos eclodiram quando Israel aprovou restrições a alguns dos poderes da Suprema Corte

  • O projeto de lei restringe o poder do Supremo Tribunal Federal de derrubar decisões do governo
  • 19 pessoas foram presas em protestos em Israel
  • Protestos populares se espalharam para os militares
  • Partidos da oposição prometem desafiar as mudanças

JERUSALÉM, 24 de julho (Reuters) – O parlamento de Israel aprovou nesta segunda-feira o primeiro projeto de lei de revisão judicial solicitado pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu após meses de tentativas fracassadas de reconciliação para acabar com a crise constitucional do país.

A emenda, que limita os poderes da Suprema Corte para derrubar certas decisões do governo consideradas “injustas”, foi aprovada por 64 votos a 0 depois que parlamentares da oposição abandonaram a sessão em protesto, alguns deles “de vergonha!”

As manifestações contra a emenda começaram nas primeiras horas da manhã, com a polícia arrastando os manifestantes acorrentados que bloqueavam a estrada do lado de fora do parlamento. À noite, milhares foram às ruas em todo o país, bloqueando rodovias e entrando em confronto com a polícia. A polícia israelense disse que pelo menos 19 pessoas foram presas na segunda-feira.

Mas o governo estava determinado. O ministro da Justiça, Yariv Levin, o arquiteto do pacote legislativo apresentado por Netanyahu para criar maior equilíbrio entre os ramos do governo, disse que a votação de segunda-feira foi um “primeiro passo”.

A emenda faz parte de mudanças judiciais mais amplas anunciadas pelo governo em janeiro, logo após a posse, para se opor ao que diz ser um exagero da Suprema Corte.

Os críticos dizem que as mudanças abrem as portas para o abuso de poder ao remover controles efetivos da autoridade do executivo. As mudanças planejadas provocaram meses de protestos sem precedentes em todo o país e alimentaram a preocupação entre os aliados no exterior sobre a saúde democrática de Israel.

READ  Número de mortos no incêndio em Maui cai para 97 semanas após análise de DNA

Poucos minutos após a votação, um observador político e o líder da oposição centrista disseram que apelariam da lei à Suprema Corte.

Netanyahu disse após o pôr do sol, com a intensificação dos protestos, que queria dialogar com a oposição com o objetivo de chegar a um acordo abrangente até o final de novembro.

“Israel deve ser uma democracia forte, deve continuar a proteger os direitos individuais de todos, (a lei judaica) não se tornará um estado e os tribunais serão independentes”, disse Netanyahu, ao receber alta do hospital com marca-passo pela manhã.

A crise dividiu profundamente a sociedade israelense e se infiltrou nas forças armadas, com líderes da oposição dizendo que milhares de trabalhadores voluntários não retornarão ao trabalho se os planos do governo continuarem e ex-funcionários de alto escalão alertando que a prontidão de combate de Israel pode estar em risco.

Os manifestantes reunidos em Jerusalém bloquearam uma rodovia perto do parlamento e a polícia os dispersou usando canhões de água, inclusive borrifando-os com uma substância malcheirosa, arrastando-os pelo asfalto.

“É um dia triste para a democracia israelense… Vamos revidar”, disse Inbar Orpas, 36, a uma multidão do lado de fora do Parlamento.

Em Tel Aviv, a polícia a cavalo tentou dispersar uma multidão em uma rodovia principal, onde os manifestantes acenderam pequenas fogueiras.

Fora da cidade, um motorista colidiu com uma pequena multidão que bloqueava uma estrada, ferindo três pessoas, e o dono do carro foi preso posteriormente, disse a polícia.

READ  Jon Wenner introduzido no Rock and Roll Hall Out of Black, comentários de músicos femininos – The Hollywood Reporter

Depois que a legislação foi aprovada, a Casa Branca reiterou seu apelo para que os líderes de Israel trabalhem em direção ao “consenso mais amplo possível” por meio do diálogo político.

Os principais índices de ações de Tel Aviv caíram até 2,5% após a votação no Knesset e o shekel caiu 1% em relação ao dólar.

Os líderes da oposição prometeram desafiar a mudança.

O chefe da federação trabalhista Histadrut ameaçou declarar uma greve geral se o governo continuar com suas ações “unilaterais” depois de não conseguir chegar a um acordo entre a aliança religioso-nacionalista e a oposição.

Benny Gantz, um membro sênior da oposição, prometeu retirar a lei, enquanto o líder da oposição, Yair Lapid, disse: “Este governo pode vencer a guerra, mas não a guerra.”

Reportagem adicional de Mayan Lubell, Dan Williams, Steven Scheer, Henriette Sacker, Matt Spetalnik e Rami Ayyub; Edição por Mirel Fahmy, Tomasz Janowski, Nick McGhee e Rosalba O’Brien

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *