Tribunal decide que Trump não está imune a ações judiciais de adulteração eleitoral de 2020

11h04 horário do leste dos EUA, 6 de fevereiro de 2024

O tribunal de apelações decidiu por unanimidade que Trump não estava imune a acusações criminais

De Devan Cole da CNN, Hannah Rabinowitz e Caitlin Bolandz

Juízes J. Michael Childs, Florence Pan e Karen Lecroft Henderson

De Getty Images/AP/ALM

O painel de três juízes do tribunal de apelação que emitiu a decisão de terça-feira incluía dois juízes, J. Michelle Childs e Florence Pan, nomeados por Joe Biden, e um, Karen LeCraft Henderson, nomeado por George HW Bush.

Na sua opinião unânime, o tribunal de recurso concluiu que o ex-presidente Donald Trump não estava imune a processos criminais ao abrigo da cláusula de separação de poderes.

“Aqui, alega-se que as ações do ex-presidente Trump violaram os estatutos criminais geralmente aplicáveis, de modo que essas ações não estavam adequadamente dentro do escopo de seu arbítrio legal”, escreveram, o que significa que a jurisprudência existente “não lhe dá nenhuma imunidade estrutural do acusações contidas na acusação.”

Eles continuaram: “Bem entendida, a separação de poderes pode impedir atos estatutários discricionários, mas não impede o processo criminal federal de um ex-presidente por cada ato oficial”.

Os três juízes do tribunal de apelação disseram que Trump pediu-lhes que “descobrissem pela primeira vez que um ex-presidente está categoricamente imune de processo criminal federal por qualquer ato que possa ser considerado fora do âmbito de sua responsabilidade executiva”.

READ  As frustrações dos Jets aumentam enquanto o QB Zach Wilson luta novamente

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *