Tribunal decide que Trump não está imune a ações judiciais de adulteração eleitoral de 2020

11h04 horário do leste dos EUA, 6 de fevereiro de 2024

O tribunal de apelações decidiu por unanimidade que Trump não estava imune a acusações criminais

De Devan Cole da CNN, Hannah Rabinowitz e Caitlin Bolandz

Juízes J. Michael Childs, Florence Pan e Karen Lecroft Henderson

De Getty Images/AP/ALM

O painel de três juízes do tribunal de apelação que emitiu a decisão de terça-feira incluía dois juízes, J. Michelle Childs e Florence Pan, nomeados por Joe Biden, e um, Karen LeCraft Henderson, nomeado por George HW Bush.

Na sua opinião unânime, o tribunal de recurso concluiu que o ex-presidente Donald Trump não estava imune a processos criminais ao abrigo da cláusula de separação de poderes.

“Aqui, alega-se que as ações do ex-presidente Trump violaram os estatutos criminais geralmente aplicáveis, de modo que essas ações não estavam adequadamente dentro do escopo de seu arbítrio legal”, escreveram, o que significa que a jurisprudência existente “não lhe dá nenhuma imunidade estrutural do acusações contidas na acusação.”

Eles continuaram: “Bem entendida, a separação de poderes pode impedir atos estatutários discricionários, mas não impede o processo criminal federal de um ex-presidente por cada ato oficial”.

Os três juízes do tribunal de apelação disseram que Trump pediu-lhes que “descobrissem pela primeira vez que um ex-presidente está categoricamente imune de processo criminal federal por qualquer ato que possa ser considerado fora do âmbito de sua responsabilidade executiva”.

READ  Costa Leste sob alerta de enchente em meio a fortes chuvas e ventos fortes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *