A primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, abraça a derrota na votação nacional – POLITICO

O partido de centro-direita Aliança Nacional da Finlândia estava a caminho de assumir o poder nas eleições gerais de domingo, depois que as preocupações dos eleitores sobre as perspectivas econômicas desagradaram a atual social-democrata Sanna Marin, uma estrela da esquerda europeia.

Com 99% dos votos apurados, o Partido da Coalizão Nacional (NCP), sob a liderança de Petteri Orpo, conquistou 48 das 200 cadeiras parlamentares da Finlândia, relegando o partido de Marin ao terceiro lugar com 43. O partido finlandês de extrema-direita ficou em segundo lugar com 46 assentos.

A derrota de Marin seria o mais recente golpe para a esquerda europeia, com o alemão Olaf Scholz sob pressão em casa e a sueca Magdalena Andersen eliminada nas eleições gerais de setembro passado. A dinamarquesa Mette Frederiksen conquistou um segundo mandato no outono passado, após uma forte mudança para a direita política.

Marin fez uma campanha tradicionalmente de esquerda antes da votação de domingo, opondo-se aos cortes de gastos públicos propostos pela centro-direita e pedindo aos finlandeses que apoiem investimentos financeiros que, segundo ele, levariam a mais empregos e crescimento econômico.

Mas, no final das contas, o medo do aumento da dívida pública, a profunda ansiedade na Finlândia e a mensagem de disciplina fiscal do líder do PCN, Orpo, para ganhar eleitores para o seu lado minaram as chances de Marin.

“É uma grande vitória”, disse Arbo aos apoiadores quando a contagem dos votos foi encerrada. “Nossa mensagem foi recebida, o apoio existe e os finlandeses confiam na Aliança Nacional.”

Orbo está agora pronto para fazer sua primeira tentativa de formar um governo, e ele pode tentar incluir o Partido dos Finlandeses anti-imigração. Ele pode tentar chegar a um acordo para co-governar com os social-democratas, mas isso parece improvável, dizem os especialistas, depois de repetidos confrontos entre os dois sobre a política econômica nos últimos meses.

READ  A inflação no Reino Unido caiu para 4,6%, a mais baixa em dois anos

Se Orbo não conseguir formar um governo, Marin pode ter a chance de formar uma coalizão. Ele disse que não quer formar um governo com os finlandeses, um partido que ele acusa de fazer declarações abertamente racistas.

Espera-se que a mudança de governo tenha pouco impacto na postura de segurança da Finlândia, com o NCP fornecendo firme apoio à adesão do país à OTAN e apoio militar à Ucrânia.

Uma pessoa famosa

Marin, que assumiu a liderança do Partido Social Democrata em 2019, é uma figura popular tanto no país quanto no exterior. Seu manejo da pandemia de Covid foi considerado eficaz e sua iniciativa de apoiar a entrada da Finlândia na OTAN foi bem recebida.

Depois de ser filmado dançando e cantando com amigos em uma festa no verão passado, ele manteve um sólido apoio entre os eleitores, apesar das alegações da oposição de que ele não é sério.

As 43 cadeiras dos social-democratas no parlamento representaram 3 a mais do que na eleição anterior em 2019, e ele tentou retratá-las como uma espécie de vitória.

“Estou grato por nosso apoio ter aumentado e estamos prontos para receber mais mandatos”, disse Marin após os resultados.

No entanto, o resultado do NCP aumentou em 10 assentos, impulsionado pela promessa da Orpo de impor disciplina financeira.

Enquanto a Finlândia busca se recuperar da pandemia, a relação dívida/PIB subiu para 73%, de 66% no quarto trimestre do ano passado, mostraram os dados mais recentes.

Orpo sugeriu que seu foco seria reverter a esperada desaceleração após o fechamento das urnas.

“Estamos iniciando as negociações do governo com a economia como questão principal”, disse Orpo.

READ  Tony Awards 2023: Veja a lista completa dos vencedores

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *