Estudantes que são ‘invisíveis’ no debate de ação afirmativa

Desde que se lembra, Dolly Ramos esperava ter uma “experiência universitária” e um dia se tornar enfermeira. Mas seu maior obstáculo não era competir por uma vaga na escola que ela queria — era entrar na faculdade e pagar por ela.

A decisão da Suprema Corte de bloquear a ação afirmativa terá consequências poderosas para as melhores admissões nas faculdades, limitará o número de estudantes negros e hispânicos em universidades altamente seletivas e afetará a diversidade de futuros líderes nos negócios, no governo e além.

Mas o efeito de admissões com consciência racial é sempre limitado a um número relativamente pequeno de alunos. Para a maioria, essas escolas não são uma opção – acadêmica ou financeiramente.

Muitos vão direto para o trabalho após o ensino médio ou frequentam universidades menos seletivas que não levam em consideração raça e etnia nas admissões. Pelo menos um terço Todos os alunos de graduação – incluindo cerca de metade dos alunos hispânicos – frequentam faculdades comunitárias, que geralmente permitem matrículas abertas.

“Em algum lugar mudou de ‘eu quero estar na escola’ para ‘eu quero sobreviver'”, disse Ramos, 25, que recentemente se formou em enfermagem. Para chegar lá, ele juntou créditos de várias faculdades no estado de Nova York, às vezes dormindo no chão de um albergue da juventude e na sala de um professor.

Na Memorial Pathway Academy, uma escola secundária para alunos em situação de risco e novos imigrantes em Garland, Texas, mais de 80% dos alunos encontram emprego após a formatura. Nacionalmente, quase 40 por cento dos graduados do ensino médio não se matriculam imediatamente na faculdade.

“É um grupo invisível”, disse Josh Dover. “Todo mundo vê meu cara número 1 com um GPA de 110 e indo para o MIT – sem pais – morando com a avó – que veio até mim aos 17 anos, com cinco créditos e se formou.”

READ  Trump compareceu ao jogo de futebol americano universitário Palmetto Bowl, na Carolina do Sul

De acordo com uma estimativa aproximada do sociólogo da Universidade de Stanford, Sean Reardon, menos de 200 universidades seletivas praticam admissões com consciência racial, concedendo diplomas a cerca de 10.000 a 15.000 alunos a cada ano. Isso representa cerca de 2% dos estudantes negros, hispânicos ou nativos americanos em faculdades de quatro anos.

A decisão de ação afirmativa pode ser ainda mais ampla Ondulação consequências. Alguns especialistas temem que isso envie uma mensagem aos alunos negros e hispânicos de que eles não são bem-vindos nos campi universitários ou os empurre para escolas mais problemáticas. Organizações sem fins lucrativos. Isso leva à reação de grupos e programas com foco étnico.

No entanto, para muitos estudantes, os maiores obstáculos estão na prática: candidatar-se, pagar e terminar a faculdade.

“Eu estava tão perdido e com tanto medo”, disse Disheem Sanders, 24, que foi o primeiro de sua família a ir para a faculdade. Ele relembra o grande momento em que um conselheiro o aconselhou a escolher entre “um empréstimo subsidiado, um empréstimo não subsidiado ou um pouco dos dois”.

Frequentando o Borough of Manhattan Community College e esperando se tornar um orientador escolar, o Sr.

A admissão na faculdade foi feita em declínio Mais de uma década, em parte devido ao aumento dos custos.

muitos estados Financiamento reduzido para faculdades do governo Em resposta à Grande Recessão, as faculdades aumentaram as mensalidades. O preço é frequentemente O aumento mais acentuado para estudantes de baixa renda do que aqueles de origens de renda mais alta.

Ao mesmo tempo, o apoio financeiro não continuou. Pell Grants federais para estudantes de baixa renda, por exemplo, já foram fechados maciço despesas da faculdade; Hoje, atende apenas cerca de Uma perna.

READ  QB de Birdy 49ers, Trae Lance é um 'erro', diz especialista da ESPN

Outra decisão da Suprema Corte que rejeitou o plano do governo Biden de perdoar milhões de americanos com alguma dívida de empréstimo estudantil poderia desencorajar ainda mais a frequência à faculdade.

Para muitos alunos, as obrigações familiares também são um fator complicador.

Dominic Cherry, 22, disse que recusou uma vaga na Universidade de Nevada, em Las Vegas, porque não podia pagar as mensalidades. Outras opções estavam longe dos avós que ajudaram a criá-lo.

Após o colegial, ele tomou uma decisão estratégica: conseguiu um emprego de escritório em uma construtora. Ele mora ao lado de seus avós, que estão na casa dos 70 anos, e os ajuda em biscates como limpar o lixo. Ele está matriculado em uma faculdade comunitária – com ajuda federal – com planos de se formar em gerenciamento de construção.

“Se eu pudesse fazer tudo de novo, faria exatamente como fiz”, disse ele.

Jessica Garcia, 19, de Garland, Texas, aspira a ir para a faculdade e se tornar uma detetive. Mas ela levou quase tudo para terminar o ensino médio. Muitas manhãs, ela lutava para chegar à escola porque sua família não tinha carro. Subir ao pódio na formatura em maio foi um triunfo: ele foi o primeiro em sua família a obter um diploma do ensino médio, disse ele.

Por enquanto, ele está trabalhando fazendo sanduíches no Subway e economizando para seu próprio apartamento.

“A faculdade é algo que eu realmente quero aproveitar”, disse ela. “Este é o meu objetivo.”

Amy Harmon Relatório contribuído.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *