Líderes do G20 iniciam cimeira e admitem União Africana como membro permanente

NOVA DÉLHI (Reuters) – Líderes das 20 economias mais poderosas do mundo deram início a uma cúpula anual em Nova Délhi neste sábado, concedendo adesão permanente à União Africana, em uma tentativa de tornar o G20 mais representativo.

Mas o grupo está profundamente dividido sobre a guerra na Ucrânia, com os países ocidentais a condenarem veementemente a Rússia e outros a exigirem que o grupo se concentre em questões económicas mais amplas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e outros líderes da delegação de 20 membros foram conduzidos pelas ruas desertas até Bharat Mandapam, um novo centro de convenções em formato de cone, avaliado em US$ 300 milhões, em frente a um forte de pedra do século 16, para uma cúpula de dois dias na capital indiana de Nova Delhi. Délhi.

Muitas empresas, lojas, escritórios e escolas estão fechadas na cidade de 20 milhões de habitantes, e o tráfego é restringido como parte das medidas de segurança para garantir o bom desenrolar da reunião mais poderosa do país. Barracos foram demolidos e macacos e cães vadios foram retirados das ruas.

De acordo com um rascunho da declaração da cúpula revisado pela Reuters, os negociadores não conseguiram resolver as diferenças sobre o texto da guerra na Ucrânia, deixando aos líderes o compromisso de chegar a um acordo, se possível.

O rascunho de 38 páginas distribuído entre os membros deixou o parágrafo “situação geopolítica” em branco e concordou com outros 75 parágrafos.

Um funcionário da Casa Branca disse que Biden pressionará por mais ação climática por parte dos países-chave na cúpula, em meio a preocupações crescentes com a falta de consenso sobre a redução das emissões.

Os países do G20 são responsáveis ​​por 80% das emissões globais e as suas opiniões estão a ser observadas de perto antes da reunião COP 28 nos Emirados Árabes Unidos.

READ  A NFL suspendeu o Steelers S Damonte Causey pelo restante da temporada após uma rebatida no Colts WR Michael Pittman Jr.

O primeiro-ministro Narendra Modi, que quer queimar as credenciais da Índia como grande potência, anunciou que a União Africana se juntará ao G20 juntamente com a União Europeia.

Modi, no seu discurso de abertura da cimeira, convidou a UA, representada pelo Presidente Azali Azomani, a sentar-se à mesa dos líderes do G20 como membro permanente.

Espera-se que a cimeira seja dominada pelo Ocidente e pelos seus aliados. O presidente chinês, Xi Jinping, faltou à reunião e enviou o primeiro-ministro Li Keqiang, enquanto o russo Vladimir Putin também não compareceu.

Biden, o presidente alemão Olaf Scholz, o presidente francês Emmanuel Macron, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak, Mohammed bin Salman da Arábia Saudita, Fumio Kishida do Japão e outros estarão presentes.

A cimeira foi vista como um local para um possível encontro entre Xi e Biden, após meses de esforços das duas potências mundiais para reparar os laços tensos pelas tensões comerciais e geopolíticas.

O vice-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Feiner, disse a repórteres em Delhi que era responsabilidade do governo chinês explicar “por que o líder chinês participará ou não”.

Ele disse que havia especulações de que a China estaria abandonando o G20 em favor de grupos como os BRICS.

A organização BRICS inclui Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e concordou em adicionar seis novos membros: Arábia Saudita, Irão, Etiópia, Egipto, Argentina e Emirados Árabes Unidos. Reorganize a ordem mundial que você considera obsoleta.

Brigando pela linguagem

Os sherpas do G20, ou negociadores dos países, têm lutado durante dias para chegar a acordo sobre a linguagem, na esperança de envolver a Rússia na preparação de uma chamada declaração dos líderes devido às diferenças sobre a guerra na Ucrânia.

READ  Há 8 candidatos anunciados para o debate do Partido Republicano, e Trump não está entre eles

A Rússia é representada pelo ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, que disse que bloqueará um anúncio final, a menos que reflita a posição de Moscou sobre a Ucrânia e outras crises.

Uma declaração conjunta pode ou não ser acordada por unanimidade, disse uma fonte à Reuters. Pode haver diferentes parágrafos expressando as opiniões de diferentes países. Ou registre concordância e discordância em um parágrafo.

De acordo com outra fonte importante de um dos países do G20, o parágrafo sobre a guerra contra a Ucrânia foi acordado pelo Ocidente e enviado à Rússia para comentários.

O responsável disse que a Rússia está disposta a aceitar as opiniões do Ocidente e a expressar a sua oposição como parte da declaração.

Na ausência de um acordo, a Índia terá de emitir uma declaração do presidente, o que significa que não anunciará uma cimeira do G20 pela primeira vez em 20 anos de cimeiras.

As declarações dos líderes são “uma boa maneira de registrar o que foi acordado para que os países possam ser responsabilizados por partes externas no futuro, e os órgãos governamentais saibam o que os seus líderes assinaram e o que precisam fazer internamente”, disse Creon. Butler, diretor do Programa Global de Economia e Finanças da Chatham House, em Londres.

Durante a presidência da Índia no G20, até agora este ano, diferentes pontos de vista sobre a guerra impediram que as reuniões ministeriais chegassem a acordo sobre uma única declaração.

Reportagem adicional de Manoj Kumar, Katya Golubkova e Krishnan Kaushik; Escrito por Raju Gopalakrishnan; Edição de Sanjeev Miklani, Jacqueline Wong e Kim Coghill

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licençaAbre uma nova aba

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *