Em coletiva, Gersinho afirma: 'o importante era vencer, não jogar bem'

Após a partida contra o Oeste, o treinador avaliou o desempenho da equipe

Em coletiva, Gersinho afirma: 'o importante era vencer, não jogar bem'

Gerson Gusmão, técnico do Operário Ferroviário, na beira do gramado, em PG - Foto: José Tramontin/OFEC

PublicidadeNEC

Em entrevista coletiva após a vitória por 1 a 0 sobre o Oeste, fora de casa e que quebrou o jejum de quatro partidas sem vencer na Série B, o técnico Gerson Gusmão demonstrou satisfação com a atuação da equipe. Com gol de Clayton, aos 32 minutos do primeiro tempo, o Fantasma sobiu, momentaneamente, para a sexta colocação.

Mesmo com a intensa pressão exercida pela equipe paulista, que chegou a totalizar 74% da posse de bola na etapa final, o Fantasma soube neutralizar os ataques adversários e segurar a vitória. Na segunda etapa de jogo, os donos da casa finalizaram 12 vezes, obrigando o goleiro Thiago Braga a fazer belas defesas. ‘’No segundo tempo a equipe se defendeu mais por instinto, pela pressão do adversário, do que por a gente programar isso e recuar. Em outros jogos, nós criamos e tivemos várias chances, mas acabamos não vencendo’’, afirma o treinador do Operário, Gerson Gusmão.

Sobre o resultado da partida, Gerson reconheceu que não foi um jogo com grandes oportunidades e que o Oeste, que precisava do resultado positivo, por estar na lanterna no campeonato, foi mais efetivo nas ações ofensivas e completa: “O importante era voltar a vencer, não jogar bem’’.

Ao ser questionado sobre a postura defensiva na segunda etapa, o técnico afirmou que a intenção não era recuar tanto. ‘’Sabíamos que o Oeste viria para o tudo ou nada e procuramos nos defender da melhor maneira possível. Mas a intenção não era recuar tanto e dar tanta bola lateral para eles chegarem. Acabou acontecendo” , enfatiza.

Durante a etapa final, a equipe do Fantasma acertou apenas 81 passes, enquanto os rubro-negros acertaram 297. Ao não conseguir construir jogadas, o técnico fez alterações na equipe, como a entrada de Tomás Bastos no lugar de Mazinho, para possibilitar uma melhora no controle do meio de campo do jogo. Gerson destacou, ainda, que o time não conseguiu criar no início de segundo tempo, mas que com a entrada de novos jogadores pôde explorar velocidade no ataque.

 ‘’Com a entrada dos jogadores mais rápidos o jogo se desenhou mais para o contra-ataque. A ideia era neutralizar os lados, fechando os espaços e chegar na frente em velocidade’’.

 A próxima partida do Operário acontece na sexta-feira (9), contra o Confiança, no Estádio Germano Kruger, às 16h30, em duelo válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro Série B.

Compartilhe essa notícia com seus amigos!